Os Correios deverão pagar os dias parados dos trabalhadores em greve. A decisão, em liminar, determina o pagamento dos funcionários de Mato Grosso do Sul. De acordo com o secretário geral do Sindicato dos Trabalhadores na Empresa de Correios e Telégrafos do Estado, Alexandre Takachi, isso deve travar a negociação prevista para a tarde desta terça-feira (4), em Brasília.
“A empresa sempre se mostrou contrária a pagar por esses dias de paralisação, isso entravava as negociações. Hoje ainda não temos rumores do que pode acontecer, mas a perda na Justiça pelo pagamento dos dias deve bloquear a empresa a um acordo”, diz o secretário.
Para o site da Agência Brasil, a greve dos Correios, que já dura mais de 20 dias, pode ter um desfecho hoje por conta da presença da ministra Maria Cristina Peduzzi, do Tribunal Superior do Trabalho (TST).
Durante a audiência, a ministra poderá apresentar proposta para que as partes cheguem a um consenso. Se isso não for possível, o processo será encaminhado a um relator e será julgado pela Seção Especializada em Dissídios Coletivos.
A empresa mantém a proposta de aumento linear de R$ 80 a todos os empregados, reajuste salarial e dos benefícios em 6,87% e abono imediato de R$ 500. A reivindicação dos trabalhadores é por um aumento linear de R$ 200, além de reposição da inflação de 7,16% e aumento do piso salarial de R$ 807 para R$ 1.635. A categoria exige ainda a contratação imediata de todos os aprovados no último concurso público.