A presidente da República, Dilma Rousseff, afirmou, na noite desta quarta-feira (10), em discurso para empresários do setor de construção civil, que o Brasil não está imune a uma crise internacional, mas que não entrará em recessão.

“Quando digo, em nome do governo brasileiro, que não entraremos em recessão, não é uma bravata”, afirmou a presidente, durante o 83º Encontro Nacional da Indústria da Construção, em São Paulo.

“Nosso posicionamento diante da crise não é recessivo. Temos um objetivo: vamos preservar nossas forças produtivas, nossos empregos e a renda de nossa população. Isso não elimina que usemos iniciativas no sentido de nos proteger do ponto de vista financeiro e cambial”, completou Dilma.

Ela disse que o Brasil precisa e irá reagir, demonstrando, com números, que o país evoluiu desde a crise financeira de 2008.

A presidente citou que, naquela época, o Brasil tinha US$ 210 bilhões de reservas e que agora tem US$ 350 bilhões. Afirmou também que o país passou de R$ 53 bilhões de contratação em programas habitacionais para R$ 125 bilhões.

“Aprendemos, por essa nossa experiência, que momentos de crise são momentos de oportunidade quando somos capazes de enfrentar a crise naquilo que ela tem de mais perverso”, afirmou, citando que, em 2008, o Brasil optou por reagir à crise fortalecendo o mercado interno e investindo em crescimento.

“Naquela época, os países do mundo usaram mecanismo para superar. Alguns pegaram recursos fiscais e de orçamento e entregaram para os bancos e salvaram os bancos e deixaram seus consumidores, sua população endividada com o subprime sem apoio e resgate. Nós saímos da crise porque apostamos no consumo, no crescimento.”

Na cerimônia, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, também discursou e disse que o Brasil  não está imune a uma crise internacional.

“O Brasil está preparado, mas não somos imunes e não ser imune significa redobrar esforço para defender o mercado interno para manter a estabilidade que esse país conquistou. O Brasil navegará nesse mar turbulento e encontrará saídas. Temos à frente uma timoneira segura e uma tripulação competente. O Brasil é maior do que a crise, vamos superá-la”, disse.

As ministras Miriam Belchior (Planejamento) e Helena Chagas (Comunicação Social) também participaram do evento.