França e Alemanha enfrentam escolhas difíceis nesta terça-feira sobre como conduzir a zona do euro em direção a uma união fiscal, sob o risco de ver o bloco se desmanchar.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel, se encontram em Paris para discutir quais medidas podem ser tomadas para estancar a crise da dívida na Europa, que já contamina o centro do continente.

Os dois líderes podem considerar obrigar todos os países da zona do euro a aprovar leis nacionais de limite de déficit e também pode ser discutida a ideia de um porta-voz permanente ou coordenador para o bloco, disse à Reuters uma fonte próxima às negociações.

A Itália foi forçada a endurecer medidas de austeridade, e a instabilidade do mercado financeiro atingiu a França na semana passada com pânico nas ações de bancos após rumores de que o país perderia a melhor nota de classificação de risco.

Muitos especialistas dizem que a única forma de assegurar crédito a um custo acessível para os países mais endividados do bloco é pela emissão de bônus conjuntos da zona do euro. Mas participantes do dialogo entre Paris e Berlim dizem que as conversas desta terça-feira não abordam essa possibilidade.

Embora o governo alemão se oponha há bastante tempo à ideia, a iniciativa tem conquistado cada vez mais apoio. Na segunda-feira, a associação de exportadores da Alemanha disse que todos os outros meios de combater a crise já foram esgotados.

O ministro da Economia da Itália, Giulio Tremonti, disse no sábado que os bônus da zona do euro seriam a melhor solução para a crise da dívida na Europa, e alguns economistas afirmam que a zona do euro vai acabar tendo que aceitar a ideia.

Os cidadãos alemães têm expressado contrariedade à cessão de mais ajuda para os vizinhos mais fracos, mesmo com o desempenho não tão brilhante de sua economia. Números mostraram nesta terça-feira que o PIB da Alemanha mal cresceu no segundo trimestre, sugerindo que a desaceleração está começando a fincar raízes no país — assim, arcar com as despesas da dívida da zona do euro é ainda mais difícil de se vender politicamente.

“Colapso da zona do euro”

O economista francês Jacques Delpla, coautor de um artigo propondo como os eurobônus poderiam funcionar, disse que a zona do euro enfrenta um colapso a menos que os líderes façam progresso além do acordo fechado na cúpula de 21 de julho sobre a crise de dívida.

“Se nós apenas ficarmos com o acordo de 21 de julho, antes do fim do ano não haverá zona do euro, a não ser que o BCE (Banco Central Europeu) compre tudo.”

Em julho, os líderes acertaram um segundo pacote de ajuda à Grécia e a criação de poderes adicionais para o fundo de resgate europeu, mas as medidas só deram um alívio breve para a crise, obrigando o BCE a comprar bônus italianos e espanhóis na semana passada.

Eurobônus à parte, Sarkozy e Merkel vão se concentrar em propostas para melhorar a governança econômica da zona do euro. Na cúpula do mês passado, eles disseram a outros líderes do bloco que as propostas seriam emitidas até o fim de agosto.

Sarkozy, que saiu das férias de verão na semana passada para lidar com o derretimento dos mercados de ações franceses, deve se reunir com o primeiro-ministro, François Fillon, antes de encontrar Merkel, às 11h (horário de Brasília).

Uma entrevista coletiva é esperada para as 13h.