A Marinha confirmou há pouco que mais três militares, que não são recrutas, foram internados na manha de hoje (23) no Hospital Naval Marcîlio Dias, na zona norte do Rio.
Dois deles são instrutores e o outro é membro da equipe de saúde do Centro de Instrução Almirante Milcíades Portela Alves (Ciampa).
Os militares também apresentam quadro clínico de Sindrome Respiratória, assim como os 57 recrutas internados quinta-feira (18) na unidade hospitalar.
A suspeita da Marinha é que os pacientes tenham contraído influenza B. Sete de 12 recrutas examinados por amostragem foram diagnosticados com o vírus.
Em entrevista coletiva, o médico infectologista responsável pelo Hospital Naval, André Dolomenzi, descartou qualquer contaminação por gás e pela água e disse que esse é um “surto infeliz”, disseminado pelo ar.
“É uma infecção respiratória que se transmite de pessoa a pessoa. Nao tem qualquer relação com produto químico”, assegurou o médico. “O surto está em andamento, aparentemente desacelerando”, acrescentou, ao comentar as novas internações de militares.
Com a liberação de 38 recrutas na noite de ontem e a internação de oito militares nesta manhã,  permanecem no hospital da Marinha 27 pessoas do Ciampa.