O vice-líder do PSDB na Câmara dos Deputados, o deputado federal Reinaldo Azambuja assinou e participou do ato em prol da CPI da Corrupção e acredita que a faxina que a presidenta Dilma Rousseff(PT) não está funcionando.

O evento aconteceu na tarde desta quarta-feira (17) no Salão Verde da Câmara dos Deputados, em Brasília.

“Até agora não vi nenhuma faxina nos ministérios. A CPI que nós propomos não foi para frente, pois estamos sem assinaturas suficientes. A própria base aliada do governo não quer que façamos a CPI. Mas agora a CPI vai sair”, explica o tucano.

Para Azambuja, e os deputados da oposição, as sucessivas denúncias que atingem o governo Dilma Rousseff exigem a criação de uma comissão parlamentar de inquérito, instrumento que dá ao Congresso poderes de investigação, como solicitar quebras de sigilos e convocar os implicados em determinados casos suspeitos.

Na avaliação desses partidos, a pressão e a mobilização da sociedade são fundamentais para que a CPI saia do papel. “Lançamos um site como forma de acompanhamento e de pressão, que permite monitorar quais deputados e senadores já assinaram o requerimento”, comentou Azambuja.

Segundo o tucano, a ideia é envolver a sociedade no processo de pedido de abertura da CPI. “Este não é um ato isolado da oposição. É sim, um espaço que escancaramos para a população, que cansada de tantos desmandos, escândalos e noticias de roubalheira desenfreada encontra eco a sua indignação!” completa.

A lista na internet vai gerar uma pressão no Parlamento. “O descrédito da classe política é tamanho que somente ações enérgicas e que envolvam a população podem fazer com que sejam diferenciados os que aqui estão para lutar pelo povo ou apenas por seus próprios interesses” reiterou.

Ainda de acordo com o tucano, este foi o último instrumento disponível para apurar e ir a fundo às investigações das denúncias que pesam contra o governo Dilma.

“Não adianta só afastar, mas também punir, até porque a impunidade é a alma da corrupção. E, ao mesmo tempo, cobrar e obter o ressarcimento aos cofres públicos pelos danos gerados” cobrou o vice-líder do PSDB na Câmara.