Torcedores do São Paulo criticaram o clube pela presença do atacante Pedrinho, afastado das atividades da equipe por acusação de violência doméstica, na de inscritos para a Copa Sul-Americana.

Assim, alguns tricolores também manifestaram descontentamento com a ausência do 24 na numeração das camisas.

“Usar a camisa 24 não pode, mas inscrever um atleta acusado de agredir a namorada, sim”, reclamou um torcedor nas redes. “Por que justo o número 24 foi pulado? Por que não pulou o 12 (e não inscrever esse tal jogador [Pedrinho], inclusive)?”, disse outro, em referência ao número usado pelo atacante.

“Não tem o número 24. Mas tem o Pedrinho. Vamos fazer um post bonitinho depois contra homofobia e violência contra a mulher que fica tudo certo”, comentou outra seguidora se referindo às notas oficiais do clube.

Pedrinho: denunciado por violência doméstica

Pedrinho é acusado pela ex-namorada de violência doméstica, lesão corporal, injúria e ameaça. Amanda Nunes, de 20 anos, registrou o boletim de ocorrência no dia 27 de fevereiro.

Então, o jogador pediu afastamento do no início de março argumentando a intenção de colaborar totalmente com as investigações.

Amanda procurou a 4.ª DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) Norte, que fica no bairro da Freguesia do Ó, zona norte da capital paulista. A mulher apresentava sinais de agressão. Por isso, nas redes sociais, a jovem fez publicações sobre agressões físicas sofridas por mulheres durante o relacionamento.

“Espero e desejo que nenhuma mulher permita agressões, sejam elas físicas ou psicológicas”, postou.

Tabu com o número 24 persiste no futebol

O 24 dificilmente acaba escolhido por jogadores de futebol no Brasil pela associação pejorativa com gays. Isso porque o número representa o veado no Jogo do Bicho.

Por outro lado, os rivais do São Paulo possuem atletas com a numeração. Dessa forma, no Corinthians, o colombiano Cantillo é quem veste a camisa. O inscreveu o jovem goleiro Natan com a camisa 24 na e o zagueiro Cadu é quem foi listado pelo Santos para usar o número na Sul-Americana.

Dos grandes de São Paulo, apenas o time do Morumbi não usou o número em seu uniforme.