Cesta básica em Dourados já está 7% mais cara

Os gêneros de primeira necessidade estão 7% mais caro em Dourados. É o que aponta uma pesquisa feita curso de Ciências Econômicas da (FACE) Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Economia da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), durante o mês de agosto. O levantamento, que  faz parte do Projeto de Extensão Índice da Cesta […]
| 09/09/2020
- 11:25
Cesta básica em Dourados já está 7% mais cara
Imagem ilustrativa. (Foto: Reprodução) - Imagem ilustrativa. (Foto: Reprodução)

Os gêneros de primeira necessidade estão 7% mais caro em Dourados. É o que aponta uma pesquisa feita curso de Ciências Econômicas da (FACE) Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Economia da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), durante o mês de agosto.

O levantamento, que  faz parte do Projeto de Extensão Índice da do Município de Dourados e é desenvolvido por alunos com o apoio de professores do curso, mostra que nove itens estão valores acima do que eram praticados antes. Entre os mais caros esta o tomate, com 47.06% de aumento.

Na lista de produtos que também estão mais caros aparecem ainda o óleo de soja (27,70%), a banana (9,18%), o pão francês, (8,67%), o leite, (6,58%), o arroz, (5,61%), a carne, (4,48%), a farinha de trigo, (2,65%) e o açúcar, (1,29%).

A pesquisa da UFGD montra, ainda, que produtos como  carne, pão francês, tomate e leite foram os que mais contribuíram para elevar o preço da Cesta Básica, representando mais de 73,94% do valor total.

Com esses aumentos, se no mês de julho, o trabalhador que ganha um salário mínimo precisou destinar R$ 445,38 para comprar a Cesta Básica, em agosto, foi necessário gastar  R$ 476,72. Esse valor segundo o levantamento representa  45,62% do total do pagamento recebido.

Veja também

Quem quiser parcelar débito precisa acompanhar alguns requisitos mínimos, informou Sefaz

Últimas notícias