Em , não é preciso muito esforço para encontrar consumidores que tiveram seus direitos desrespeitados, basta ir até a fila do Procon-MS, na 13 de Junho, para descobrir histórias de clientes que recorrem aos serviços do órgão para mediar problemas com empresas de diversos segmentos. Entre os mais procurados estão energia, telefonia e .

Cobranças abusivas, problemas nas contas de luz, água e telefone, foram muitos os motivos que fizeram Fernando Mendes da Silva, 54, ir até o Procon-MS à procura de atendimento.

O servidor público conta que frequentemente recorre ao Procon para resolver diferentes pendências que, segundo ele, deveriam ser resolvidas de forma mais ágil, diretamente com as empresas. A mais recente foi com uma agência de viagens, Fernando viu o sonho de conhecer Porto de Galinhas, em Pernambuco, ser frustrado sem ao menos entender o motivo.

“Apareceu uma promoção em uma agência de viagens e minha neta sugeriu de irmos para Porto de Galinhas, todo mundo se programou, consultei meu cartão e vi que teria limite, mas na hora da compra deu que o CPF das minhas netas eram inválidos e isso não fazia sentido. Foi um transtorno enorme porque tínhamos criado expectativas”, lamenta.

Devido aos entraves da empresa, o servidor conseguiu comprar apenas duas passagens, para ele e para esposa, Fernando chegou a entrar em contato com a agência para tentar comprar as passagens das netas, mas novamente foi informado que a documentação era inválida.

“Não fazia sentido algum, eu estava com todos os documentos delas em mãos, coloquei exatamente o que tava escrito e continuaram falando que estava errado, que a data de nascimento era inválida, que o CPF não batia, elas têm até passaporte e ainda descontaram do cartão”, disse.

Como o plano era uma viagem em família, ele decidiu solicitar a devolução do , cerca de R$ 1.200,00, pagos de forma parcelada, contudo a empresa não devolveu o valor e apenas ofereceu um voucher.

Após todo o transtorno, Fernando Mendes decidiu entrar com um processo contra a empresa, passou por audiência de conciliação e agora aguarda uma indenização pelos danos gerados pela empresa.

O guarda Municipal Moreira, 65, foi até o Procon devido a uma cobrança indevida de uma empresa de telefonia e internet, indignado, ele relata que falta responsabilidade das empresas com os consumidores.

“Tinha um contrato de internet e telefone e eles mudaram o contrato sem nenhum aviso, aumentaram os preços e agora estão me cobrando. Essa já é a sexta vez que venho no Procon, sempre por um problema com uma empresa diferente”, relatou.

Reclamações

Dados do balanço do Procon-MS (Secretaria Executiva de Orientação e Defesa do Consumidor), divulgado em março deste ano, apontam que em todo ano de 2022, os setores que mais registraram reclamações foram o de energia elétrica (176), água (145), serviços prestados por bancos (104) e telefonia e internet (100).

Em Mato Grosso do Sul, foram contabilizadas 6.968 reclamações ao longo do ano passado, sendo 1.082 em Campo Grande. Do total de reclamações, a maioria foi por cobranças indevidas.