A cesta básica ficou -0,95% mais barata em Campo Grande no mês de agosto, puxada pela queda no quilo do tomate (-6,89%) e da carne bovina (-4,13%). Assim, o conjunto de alimentos na Capital no mês passado ficou em R$ 691,70. Os dados são do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

A queda no acumulado de janeiro a agosto de 2023 em Campo Grande ficou em -7,06%, a quarta maior do país. Contudo, a cesta básica da cidade permanece como a quinta mais cara entre as capitais do Brasil. Porto Alegre ficou em primeiro lugar, em R$ 760,59.

O levantamento aponta que o quilo da proteína bovina chega a segunda queda mensal consecutiva e atinge o menor preço médio dos últimos dois anos, em R$ 36,18.

Outros itens que ficaram mais baratos foram batata (-3,40%), leite (-3,28%), farinha de trigo (-1,96%), feijão carioquinha (-0,94%) e açúcar cristal (-0,77%). 

Na lista de itens que registraram alta estão a banana (9,85%), arroz (3,87%) e pão francês (1,49%). 

Quinta cesta básica mais cara do Brasil

Apesar da queda, a cesta básica em Campo Grande é a quinta mais cara entre as capitais do país. O valor de 691,70 representa 56,65% do salário mínimo líquido, de R$ 1.320,00. 

O cálculo do Dieese aponta ainda que o valor da cesta básica para uma família composta por quatro pessoas ficou em R$ 2.075,10.

O tempo médio de trabalho para comprar os produtos da cesta básica em Campo Grande ficou em 115 horas e 17 minutos.