Sem números de Campo Grande, Cosems alerta para aumento de profissionais de saúde afastados em MS

As equipes estão desfalcadas e a busca da população por atendimento não para de aumentar
| 24/01/2022
- 21:55
O número de médicos
O número de médicos, enfermeiros, agentes de saúde, psicólogos, entre outros, que atuam na rede pública/privada e que precisaram se afastar do trabalho por conta do coronavírus não para de - Arquivo/Midiamax

Cosems/MS (Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de MS) alerta sobre o aumento de profissionais de saúde que estão afastados infectados com a Covid-19. Campo Grande não teve os números divulgados.

O número de médicos, enfermeiros, agentes de saúde, psicólogos, entre outros, que atuam na rede pública/privada e que precisaram se afastar do trabalho por conta do coronavírus não para de subir, de acordo com o Conselho.

O Presidente do Cosems/MS, Rogério Leite, destaca o problema que a saúde está enfrentando devido à falta desses profissionais no trabalho.

“O crescente número de positivos está criando uma pressão nos serviços de saúde, tanto público como privado, seja na busca por atendimento ou testagem. O número de profissionais da saúde afastados, por estarem positivos, não para de crescer. Alguns municípios pequenos do interior possuem poucos médicos e alguns ainda estão com Covid”, disse.

Os municípios que possuem mais profissionais afastados são com 16%, Anaurilândia com 12%, Três Lagoas 10% e Guia Lopes da Laguna com 9.5%.

A Secretária de Saúde de Aquidauana, Claudia Franco Fernandes explica que as equipes estão desfalcadas e ainda aumentou as procuras nos atendimentos.

 “Ao mesmo tempo em que há uma equipe desfalcada por causa da Covid e Influenza, existe o aumento na procura por atendimentos e testagem, o que leva a uma sobrecarga dos serviços. E não adianta abrir contratação, pois os profissionais da rede pública são os mesmos da rede privada. Pedimos a compreensão da população, mas todos estão sendo atendidos”, ressaltou.

Veja também

Estudante assinalou a opção de ingresso por cotas, sem ter direito, e foi à Justiça para justificar que cometeu equívoco

Últimas notícias