Motorista pede R$ 61 mil por ponte que desabou com caminhão em rio de MS

Vítima ficou presa nas ferragens por uma hora
| 21/02/2022
- 20:25
Ponte desabou durante passagem de caminhão sobre o rio Tereré
Ponte desabou durante passagem de caminhão sobre o rio Tereré - Divulgação

Motorista morador em Amambai, município distante 352 quilômetros de Campo Grande, moveu ação contra a (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), depois que uma ponte desabou com seu caminhão, causando prejuízos. Ele pede R$ 61 mil em indenização por danos morais e materiais.

Conforme apurado, no dia 14 de fevereiro de 2019, ele seguia pela rodovia MS-267, entre Porto Murtinho e Jardim, quando ao passar pelo trecho sobre a ponte do rio Tereré, a ponte acabou caindo com o caminhão. Segundo a vítima, a estrutura estava em péssimo estado de conservação e não suportou o peso do veículo

Ele disse que correu risco de morte, uma vez que ficou preso entre as ferragens por cerca de uma hora até que fosse socorrido por outros motoristas. Ele disse ainda que a Polícia Militar não registrou boletim de ocorrência por não haver vítima grave e, neste sentido, ele denunciou o caso à Delegacia de Polícia Civil de Amambai.

Disse ainda que teve cerca de R$ 41 mil de prejuízo com reparos no caminhão, além de sofrer escoriações, lesão na coluna lombar e trauma psicológico. Ao ser acionada, a Agesul alegou que o próprio boletim de ocorrência registrado pela vítima diz que a ponte não suportou o peso do caminhão, ou seja, a culpa é do excesso de peso.

Pontuou ainda que, neste aspecto, não existe responsabilidade objetiva da administração pública pelo acidente, bem como defendeu que todas as indenizações pedidas devem ser negadas, pois não há nexo de causalidade entre a queda da ponte e eventual omissão do Estado. “É importante frisar que no presente caso, não se encontram presentes, em relação a esse requerido, os elementos básicos do dever de indenizar, quais sejam, conduta e nexo de causalidade”, afirma a defesa.

O procedimento tramita na 1ª Vara de Amambai, sob cuidados do Diogo de Freitas. No próximo dia 15 de março será realizada audiência de continuidade do caso.

Veja também

Nove indígenas foram para o hospital da região e outros não procuraram ajuda médica por medo

Últimas notícias