Lei de Migração é aprovada no Senado e aguarda sanção de Temer

Lei estabelece deveres e direitos do imigrante em território brasileiro
| 19/04/2017
- 15:00
Lei de Migração é aprovada no Senado e aguarda sanção de Temer

Lei estabelece deveres e direitos do imigrante em território brasileiro

O plenário do Senado Federal aprovou em sessão na noite desta terça-feira (18) a nova Lei de Migração do Brasil. Agora o texto segue para sanção presidencial de Michel Temer (PMDB). No texto são fixados os direitos e deveres do e visitantes estrangeiros, e também de dua recepção por parte do Estado.

Entre os princípios da lei, está a garantia ao imigrante da condição de igualdade com os nacionais, a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade e o acesso aos serviços públicos de saúde e educação, bem como registro da documentação que permite ingresso no mercado de trabalho e direito à previdência social. 

Ao imigrante também será permitido exercer cargo, emprego e função pública, conforme definido em edital, excetuados aqueles reservados para brasileiro nato.

São tipificados como crime, com pena de dois a até cinco anos de reclusão, o tráfico de estrangeiros em território nacional ou de brasileiros em país estrangeiro. A pena pode ser aumentada se houver violência

O texto da lei também garante que o imigrante não deve ser deportado ao seu país de origem caso as condições e leis do mesmo possam oferecer risco à sua vida ou à sua integridade pessoal.

O texto sofreu poucas alterações ao passar da Câmara para o Senado, embora os deputados tenham feito certas mudanças no projeto apresentado originalmente pelo senadores.

Polêmicas

O senador Tasso Jereissati (PSDB), relator do projeto no Senado, retirou do texto uma alteração feita pela Câmara, que incluiu a “proteção ao mercado de trabalho nacional”. Para o parlamentar, “essa diretriz é dúbia”, pois o mercado de trabalho não deve ser fechado e a migração é um fator de desenvolvimento.

Também foram mantidas partes do texto original que tratam da expulsão do migrante e que haviam sido retiradas no substitutivo da Câmara. Dessa forma, caberá à autoridade competente decidir sobre a expulsão, sua duração ou suspensão, e sobre a revogação de seus efeitos.

O senador Ronald Caiado (DEM) questionou um outro ponto do texto que garante aos povos indígenas o direito à livre circulação em suas terras tradicionalmente ocupadas, independente das fronteiras criadas.

Caiado acredita que esse trecho “escancara” as fronteiras e facilita o tráfico de drogas. Entretanto, Jereissati afirmou que o trecho segue o dito da Constituição.

Pela Constituição, os povos indígenas originários têm direito a circular pelas fronteiras criadas pelo homem branco, por desconhecê-las. Portanto, não podem ser constrangidos ao atravessar uma fronteira para caçar ou pescar, por exemplo.

(com supervisão de Evelin Cáceres)

Veja também

Para os bancos, isso significa que há uma parcela do público que usa smartphone, mas ainda não está em seus aplicativos

Últimas notícias