Ex-mulher do ex-vereador Cazuza, Ilcemara Lopes de Oliveira foi condenada a ressarcir R$ 21.396,8 aos cofres públicos por ganhos indevidos entre 2017 e 2018, quando esteve nomeada na Prefeitura de Campo Grande. Considerada ‘funcionária fantasma’ pela Justiça, a investigada poderá ter bens penhorados caso não pague o valor em 15 dias.

Conforme investigação, de maio de 2017 a 2 de março de 2018, IIcemara esteve nomeada na Segov (Secretaria Municipal de Governo e Relações Institucionais) durante a gestão do ex-prefeito Marquinhos Trad, recebendo salário líquido mensal de R$ 1.750,06. No entanto, conforme apontou inquérito policial, a suspeita não exercia efetivamente as atividades inerentes ao cargo.

Para o Ministério Público, a atuação da ex-mulher de Cazuza foi uma “evidente caracterização de funcionária fantasma”. 

“Após checagem, mediante solicitação do Ministério Público Estadual, verificou que, muito embora tivesse sido nomeada, Ilcemara de Oliveira nunca entrou em efetivo serviço na Secretaria”, diz trecho da denúncia. A ausência foi confirmada, inclusive, pelo então titular da pasta, Antônio Cezar Lacerda Alves.

Em depoimento, a investigada chegou a afirmar desconhecer a nomeação, porém, praticou diversos atos para a nomeação, como juntada de documentos para a posse e declaração para o cargo de gestora de processos. 

Conforme publicação no Diário da Justiça, o ressarcimento deverá ser feito no prazo de 15 dias, sob pena de penhora de bens.