Justiça manda Prefeitura de Corumbá suspender contrato com empresa de filho de presidente do TCE

Conforme os autos, contratação foi ilegal e houve sobrepreço no convênio de R$ 4,1 milhões
| 01/03/2022
- 15:52
Prefeitura de Corumbá.
Prefeitura de Corumbá. - PMC, Divulgação, Arquivo

A Justiça mandou a romper com a Prosperitate Consultoria Ltda, contratada sem licitação em dezembro de 2021 para regularização fundiária milionária de 1.396 lotes daquela cidade. O despacho é resposta à ação apresentada pelo MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul). 

Entre os cinco sócios da empresa — que aparecem em consulta pelo CNPJ na internet e que são apontados no processo — está Adnan Silva Coelho das Neves, filho do presidente do TCE-MS (Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul), Iran Coelho das Neves. O órgão é o responsável pela fiscalização de contratos do poder público das prefeituras e do Governo do Estado.

Segundo o Diário Oficial de Corumbá de 7 de dezembro, a empresa foi contratada por R$ 4.188.000,00 'por inexigibilidade de licitação' e, conforme apontam os autos do MPE, a escolha foi feita 'em descompasso com a legislação', uma vez que seria 'perfeitamente cabível' a competição de mais empresas neste caso.

Procuradoria apontou sobrepreço

Ainda de acordo com a ação, a Procuradoria-Geral do Município apontou que, além de critérios previstos em leis não terem sido observados, haveria sobrepreço na contratação da empresa.

Para o mesmo serviço no município de Selvíria, por exemplo, cuja contratação ocorreu em agosto passado, o valor fechado tinha sido de R$ 500 a menos para cada lote de regularização. A documentação de cada um seria R$ 2,5 mil neste município e R$ 3 mil em Corumbá.

"Em pesquisa realizada verificou-se que em licitações abertas em vários municípios brasileiros para contratações idênticas à presente, os valores das contratações são significativamente menores do que o pactuado entre o Município de Corumbá e a empresa Prosperitate, o que indica que o superfaturamento da contratação é ainda maior".

Contratação ilegal

O MPE apontou, ainda, que não houve estudo técnico-preliminar, termo de referência na contratação ou qualquer especificação 'concreta' que justificasse a não exigência de licitação. "Não há explicação dos motivos que ensejaram a fixação desse preço, já que não consta dos autos a realização de pesquisa de preços de mercado ou de bancos de dados públicos do referido serviço".

Também não há motivos que expliquem a contratação da Prosperitate Consultoria Ltda, acrescenta, tampouco pesquisa de mercado para conclusão quanto ao preço. Portanto, o contrato com empresa foi ilegal, de acordo com o promotor que assina a petição, Luciano Bordigon Conte. 

O procedimento licitatório foi iniciado em 4 de agosto de 2021, quando a Gerência de Regularização Fundiária encaminhou pedido à Secretaria de Projetos Estratégicos de Corumbá, alegando que a equipe técnica era insuficiente para promover os serviços para regularização fundiária e valor contratado já foi apontado no documento.

A Prefeitura de Corumbá e os outros envolvidos no processo de contratação terão cinco dias para apresentar eventuais provas ou contestações, segundo decisão assinada pela juíza Vieira Sá de Figueiredo.

Veja também

Mudança poderia beneficiar políticos condenados e considerados inelegíveis

Últimas notícias