Política

Esperado por ruralistas, projeto de venda de terra para estrangeiros será vetado, revela Bolsonaro

O projeto de lei 2.963 que prevê compra de terras brasileiras por estrangeiros será vetado pelo presidente Jair Bolsonaro, segundo ele mesmo revelou em live nesta semana. Aprovado no Senado, o projeto é fruto de mobilização de políticos ligados ao agronegócio, incluindo Tereza Cristina, ministra da Agricultura, e a senadora Soraya Thronicke (PSL). Durante transmissão […]

Aliny Mary Dias Publicado em 26/12/2020, às 11h33 - Atualizado às 11h39

Projeto foi aprovado no Senado (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)
Projeto foi aprovado no Senado (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado) - Projeto foi aprovado no Senado (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

O projeto de lei 2.963 que prevê compra de terras brasileiras por estrangeiros será vetado pelo presidente Jair Bolsonaro, segundo ele mesmo revelou em live nesta semana. Aprovado no Senado, o projeto é fruto de mobilização de políticos ligados ao agronegócio, incluindo Tereza Cristina, ministra da Agricultura, e a senadora Soraya Thronicke (PSL).

Durante transmissão em live, o presidente falou sobre o projeto, que após aprovação no Senado, segue para análise dos deputados federais.

“Por alto, tomei conhecimento do projeto hoje e vou estudar melhor amanhã. Há uma série de limitações: cada país pode comprar um percentual. Qual país você acha que vai comprar aqui se esse projeto for aprovado na Câmara? Acha justo vender terras para estrangeiros? Se começar a vender, nunca mais recuperará essa terra”, disse.

Entre as justificativas do presidente, está o fato do projeto permitir a compra de várias propriedades por um mesmo grupo de estrangeiros, o que faria com as áreas dos estrangeiros como proprietários pudessem chegar ao tamanho do Rio de Janeiro, por exemplo.

“Passou no Senado e alguns senadores falaram que o projeto é bom, mas não me convenceram. Se a Câmara aprovar, tem o meu veto. Aí o Congresso pode derrubar ou não o meu veto. Falta patriotismo. Não podemos permitir que o Brasil seja comprado. Você não vê isso em outros países pelo mundo”, concluiu.

Aguardado pelos ruralistas desde o ano passado, quando foi criado, o projeto já contou com apoio da ministra Tereza Cristina, que avaliou a proposta dede que não houvesse brecha para invasão de fundos soberanos. Presidente da Comissão de Agricultura do Senado, Soraya Thronicke, também se manifestou favorável ao projeto desde as suas primeiras tratativas.

Jornal Midiamax