Além de efetuar disparos contra o funcionário da Fazenda Santa Virgínia, que fica nas proximidades do distrito de Itamarati, na região de fronteira, o ‘atirador misterioso’ perseguiu a vítima por alguns quilômetros. Mesmo com o rosto ferido a tiro, o morador do assentamento conseguiu chegar até um sítio e pedir ajuda.

O tiro acertou a boca atravessando a bochecha da vítima. O ‘Maníaco da Lanterna’ também estaria em uma e iniciou uma perseguição por um determinado trecho da MS-164. As informações foram repassadas pelo trabalhador rural aos agentes da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Ponta Porã, de acordo com apuração feita pela reportagem do Jornal Midiamax.

A vítima disse ter visto uma luz no meio da pista, que não soube identificar ao certo se era uma lanterna ou celular que estava se aproximando. Em seguida, ela sentiu o tiro. “Ferido, ele conseguiu ainda sair do local e fugir do autor, que estaria de moto e mesmo assim ainda tentou uma perseguição até um sítio onde vítima foi socorrida. Ai ele não viu mais o atirador e nem a moto”, detalha a delegada Elisângela Ferreira Cristaldo, titular da 1ª DP de Ponta Porã.

“Estamos diante de uma situação um tanto complicada porque até o momento não temos nenhuma testemunha e nem imagens, uma vez que são locais ermos. O que há de novidade agora é e que ele mudou de região”, pondera a delegada Elisângela Ferreira.

“Ele estava próximo de Antônio João e como começou a haver muita movimentação de polícia, aparentemente ele foi para a outra rodovia e passou a agir na MS-164, mais especificamente sentido do distrito de Itamarati”, ressalta Elisângela.

A Polícia Civil de Antônio João e Ponta Porã intensificou a caçada ao atirador misterioso, que feriu motoristas em rodovias de Mato Grosso do Sul, próximas à fronteira com o Paraguai, nos últimos dias. As vítimas são escolhidas de forma aleatória pelo autor.

Mapa mostra região onde atirador tem feito tocaias e realizado ataques (Arte: Franz Mendes)

O que se sabe sobre o atirador

O delegado Cleadon Alves de Assis, titular da Delegacia de Antônio João, explica qual o modus operandi do criminoso e a hipótese que as autoridades policiais trabalham no momento. Tanto ele quanto a delegada Elisângela Ferreira acreditam que o criminoso tem agido sozinho.

“Nós temos investigado a situação do atirador que tem causado pânico aqui na região de fronteira, o que nós podemos salientar nesse momento é que nós trabalhamos com a hipótese de que seja somente um atirador. E que o modo dele de agir é de buscar vítimas aleatórias”.

Segundo informações policiais, o atirador começou os ataques na primeira semana do mês de outubro, quando disparou contra diversos veículos em um trecho da MS-384, sentido Antônio João e o delegado ressaltou que desde o início as forças de segurança têm se empenhado para que o caso seja solucionado.

“Durante as investigações, nós percebemos que ele tem feito esses ataques em horários noturnos. Os de Antônio João foi em 21 horas e agora esse próximo da Itamarati foi quase meia-noite”, disse a delegada da 1ª DP de Ponta Porã.

Cuidados e denúncias

A delegada pede para que os motoristas que trafegam pela região, redobrem os cuidados até que o atirador seja encontrado, mas também orienta aos moradores que não fiquem em pânico, uma vez que há um aparato da Polícia Civil montado com o apoio do DOF da PM e também da Guarda Municipal de Fronteira para que o caso seja solucionado o mais breve possível.

As autoridades também acreditam que o ‘atirador misterioso’ esteja utilizando uma arma de baixo calibre diante das marcas de percebida nos veículos e também diante do último ataque. “A vítima mais recente foi atingida por um revólver de calibre 22”, relata a delegada que pediu um periciamento mais detalhado sobre esses ataques.

Outro alerta é para que, assim que a população tenha informações que ajudem na investigação, procurem os canais oficiais das delegacias de Antônio João e Ponta Porã, assim como a PM (Polícia Militar) para que seja feita uma denúncia. O Disque-Denúncia é o: (67) 9 9639-2747.

Entretanto, segundo a delegada Elisângela, toda informação é bem-vida, desde que feita diretamente aos órgãos competentes e que não sejam espalhadas fakes, que ao invés de ajudar nas investigações, acabam atrapalhando.

“Passaram uma informação para a gente sobre um determinado senhor. A gente esteve no local. Pedimos autorização e entramos na residência. A esposa dele confirmou que naquele determinado horário ele estava na casa. Ligamos para o patrão dele. Ou seja, estamos fazendo todas essas verificações, mas também temos que ter o cuidado de não apontarmos o dedo para todo mundo”, conclui a titular da 1ª DP.

Caso também é monitorado pela 1ª DP de Ponta Porã (Foto: Marcos Morandi, Midiamax)

Atirador já feriu quatro pessoas

A última vítima, o funcionário de uma fazenda, voltava do trabalho de moto e foi atingido no rosto pelo atirador. Dessa vez a vítima dirigia no sentido Antônio João-Itamarati quando uma pessoa apareceu no meio da pista fez disparos contra o motociclista. Uma das balas atingiu o rosto do funcionário, que conseguiu chegar a uma propriedade e pedir socorro. Ele foi levado para o Hospital da Vida em Dourados.

Além do funcionário, três pessoas que estavam nos veículos trafegando pelas rodovias foram feridas por estilhaços provocados pelos tiros na lataria e nos vidros.

Após o ataque ao funcionário da Fazenda Santa Virgínia, moradores da região que costumam trafegar por essas duas rodovias espalham avisos de alerta pelas redes sociais. Ele já está sendo chamado de ‘Maníaco da Lanterna’.

Segundo informações, o ‘maníaco’ se esconde na mata e utiliza uma lanterna ou um celular para sinalizar sua presença antes de abrir fogo contra os veículos. A rodovia é conhecida pela densa mata, distante aproximadamente 10 quilômetros da zona urbana.

Saiba Mais