Foto mostra perfuração de disparo de arma de fogo contra helicóptero da Casa Militar, do Governo do Estado. O secretário Antônio Carlos Videira, da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), disse que o helicóptero, Sikorsky matrícula PR-LCD, foi atingido por tiro na tarde desta sexta-feira (24), momento em que fazenda ocupada por índios em Amambai, cidade a 351 quilômetros de Campo Grande, era sobrevoada.

O helicóptero levou reforço de policiais militares ao local. A aeronave foi trazida de volta para Campo Grande após o ocorrido, segundo a secretaria.

Um indígena, de aproximadamente 25 anos morreu no conflito. De acordo com informações, 11 pessoas entre policiais e indígenas ficaram feridos. Sendo três policiais com ferimentos leves e oito indígenas, entre eles, dois adolescentes. O índios ocuparam a região durante a tarde desta quinta-feira (23).

De acordo com o Cimi (Conselho Indiginista Missionário), após a ocupação, indígenas dos povos Guarani Kaiowá foram atacados e expulsos, sem ordem judicial, por fazendeiros e policiais militares do território, chamado de Guapoy pelos índios. Informação é de que os policiais entraram no local efetuando disparos de balas de borracha.

A reserva de Amambai é a segunda maior do estado de Mato Grosso do Sul em termos populacionais, com aproximadamente 10 mil indígenas.

O Conselho informa que teme que a situação evolua rapidamente para um novo episódio de massacre contra os Guarani Kaiowá, como o ocorrido em 2016, em Caarapó.

Ja a Sejusp, diz que entre os indígenas também há estrangeiros, possivelmente paraguaios. Isso, porque eles vêm ao país vizinhos tentar cooptar indígenas como mão de obra barata para a colheita de maconha.

Ainda de acordo com a secretaria, a suspeita é de que estes os homens armados que acabaram entrando em confronto com os policiais do Batalhão de Choque nesta sexta. O grupo de aproximadamente 30 pessoas, entre indígenas e estes estrangeiros, teriam ocupado a fazenda na quinta-feira (23). Inicialmente, policiais foram ao local e eles saíram, mas depois retornaram.

Perfuração na aeronave (divulgação)