Questionado sobre a droga, que foi avaliada em R$ 1,6 milhão, o homem disse que não sabia da sua existência e que o local pertence ao seu pai, que é idoso. Sobre a arma de fogo, ele alegou tê-la adquirido no Paraguai, possuindo até mesmo registro de porte.