Metalúrgica é autuada por poluição sonora e perturbação do sossego à vizinhança

A PMA (Polícia Militar Ambiental) interditou uma empresa metalúrgica e autuou o proprietário em R$ 5 mil por poluição sonora e perturbação do sossego à vizinhança. A PMA informou que recebeu denúncias de vizinhos da empresa instalada em uma área mista predominantemente residencial em Chapadão do Sul. A denúncia informava sobre transtornos e perturbação do […]
| 20/11/2020
- 01:02
Metalúrgica é autuada por poluição sonora e perturbação do sossego à vizinhança
Divulgação, PMA - Divulgação, PMA

A PMA (Polícia Militar Ambiental) interditou uma empresa metalúrgica e autuou o proprietário em R$ 5 mil por poluição sonora e perturbação do sossego à vizinhança. A PMA informou que recebeu denúncias de vizinhos da empresa instalada em uma área mista predominantemente residencial em Chapadão do Sul.

A informava sobre transtornos e perturbação do sossego devido à alta pressão de som emitida pelas máquinas. Quando eram utilizadas máquinas, esmerilhadeiras principalmente, para os serviços de acabamento de portas e janelas de metais, os ruídos emitidos pelos equipamentos eram insuportáveis segundo a vizinhança.

A PMA então esteve no local e realizou a aferição dos ruídos emitidos durante três dias em horário comercial. Inclusive a empresa funcionou durante o feriado nacional, último domingo (15), quando foram concluídas as aferições. O proprietário da empresa foi flagrado realizando atividades na calçada da empresa o que aumentava ainda mais o ruído emitido.

As aferições realizadas durante os três dias de fiscalização e organizadas em relatório técnico registraram a média de 75 decibéis, no local onde a pressão de som permitida é de 55 decibéis o máximo, conforme as normas brasileiras. Houve momentos em que o aparelho registrava acima de 89 decibéis. As atividades foram interditadas e as esmerilhadeiras apreendidas ontem (17) depois da conclusão dos relatórios

O empresário (38) foi conduzido para a delegacia de para as providências penais e poderá responder por crime ambiental de poluição sonora, com pena prevista de um a quatro anos de reclusão. Ele também foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 5 mil.

Veja também

Últimas notícias