Líder da organização, um homicida, seria o mentor de inúmeros assaltos e sequestros recentes em Campo Grande, mesmo atrás das grades.

Um detento do presídio de Segurança Máxima de Campo Grande estaria recrutando e treinando homens, por meio de um braço direito fora da cadeia, para integrar um grupo criminoso parecido ao do PCC (Primeiro Comando da Capital), aquela organização surgida em presídios de São Paulo e que comanda mesmo atrás das grades assaltos e sequestros em todo o País.

O grupo genuinamente campo-grandense, possui um comando superior dentro do presídio e uma espécie de central na região norte da cidade, mais precisamente no bairro Nova Lima.

O bando estaria se firmando no mundo criminoso no comando de invasões a residências e propriedades rurais. Dezenas de crimes desta natureza estão prestes a ser desvendados com as informações obtidas pela polícia.

O mentor da organização, autor de ao menos quatro homicídios, teria comandado entre ontem e hoje o assalto em uma casa no Jardim Itanhangá, a invasão de um sítio em Sidrolândia, assaltos na região norte de Campo Grande, além de um furto a um salão de beleza na avenida Tamandaré.

A polícia já tem informações sobre a criação e atuação do grupo, porém prefere cautela ao revelar nomes para não atrapalhar nas investigações dos crimes que podem, inclusive, ser muito mais do que os praticados entre esta quarta e quinta-feira em Campo Grande.

Em relação ao assalto a um sítio no município de Sidrolândia, na manhã desta quinta-feira, a polícia já tem dois suspeitos detidos e os seus nomes serão revelados no momento oportuno para não atrapalhar nas investigações de outros delitos.

Já quanto à invasão a uma residência no bairro Itanhangá, as vítimas estão sendo chamadas para fazer o reconhecimento dos homens já detidos e por meio do banco de imagens que a polícia possui com identificação de criminosos.