PT anuncia afastamento do governo Requião no Paraná

A direção do PT no Paraná anunciou nesta terça-feira o rompimento da aliança com o governador do Estado, Roberto Requião (PMDB), e a entrega de todos os cargos de confiança na administração do peemedebista. As relações estavam prejudicadas diante das frequentes declarações de Requião contra o partido, que procura um palanque forte no Paraná para […]
| 03/03/2010
- 02:56
PT anuncia afastamento do governo Requião no Paraná

A direção do PT no Paraná anunciou nesta terça-feira o rompimento da aliança com o governador do Estado, Roberto Requião (PMDB), e a entrega de todos os cargos de confiança na administração do peemedebista.

As relações estavam prejudicadas diante das frequentes declarações de Requião contra o partido, que procura um palanque forte no Paraná para a candidatura presidencial da ministra Dilma Rousseff (casa Civil). Requião sentiu ter sido alijado deste processo de articulação e passou a criticar os petistas.

Na semana passada, Requião acusou o ministro petista Paulo Bernardo (Planejamento) de tentar superfaturar uma obra ferroviária. O ministro nega e estuda processar Requião por crime de calúnia e difamação.

De acordo com a direção do partido, as acusações lançadas a Bernardo definiram o afastamento. “Rompemos por causa da diferença política, por causa das críticas infundadas e injustas contra o ministro”, disse o presidente do PT no Paraná, o deputado estadual Ênio Verri.

Com o afastamento do governo, o partido fortalece a aproximação com o principal desafeto de Requião e pré-candidato ao governo, o senador Osmar Dias (PDT). As articulações entre PT e Dias, feitas desde o ano passado, precipitaram a série de ataques do governador contra o partido e a política econômica do governo Lula.

Já Requião, que tem planos de candidatar-se ao Senado, onde já ocupou cadeira entre 1995 a 2002, volta suas articulações ao PSDB do prefeito de Curitiba, Beto Richa, pré-candidato ao governo e principal adversário de Osmar Dias, segundo as pesquisas.

Requião, que também mantém conversas com o governador de São Paulo, o tucano José Serra, para formar palanque no Paraná a eventual candidatura presidencial do paulista, tenta agora convencer o PSDB do Paraná a abrir mão da candidatura ao Senado para se lançar sozinho na disputa.

Na aliança com o PT, Requião teria de dividir espaço com a mulher de Bernardo, Gleisi Hoffmann, pré-candidata ao Senado.

Pelo comunicado da direção executiva do PT-PR, todos os filiados do partido com cargos no governo Requião deveriam deixar a administração a partir de hoje. A decisão atinge as duas secretarias ocupadas por integrantes do partido (Agricultura e Ciência, Tecnologia e Ensino Superior), além de cargos de segundo e terceiro escalão.

Requião manifestou-se no Twitter sobre a decisão dos petistas. “Eu esperava que o PT abrisse uma sindicância interna. Mas preferiram deixar o meu governo”, escreveu.

Últimas notícias