O que começou como diversão aos 12 anos pode dar ao campo-grandense Giuliano Toesca Scoculi, de 17 anos, o prêmio de melhor jogador de Free Fire em 2023. Treinando mais de 12h por dia, o Giuh.87 disputa pelo segundo ano o FFWS (Free Fire World Series), em Bangkok, na Tailândia.

Ao Jornal Midiamax, Giuh é modesto ao declarar que não deve levar o prêmio de melhor jogador, mas ficou feliz pelo reconhecimento. “É complicado, porque eu concorro com nomes consagrados no cenário e outros craques do FreeFire. Mas, claro, conto com apoio da minha terra, , onde eu nasci, e de todo MS”, opina.

“Minha indicação foi uma surpresa pra mim, fiquei muito feliz, ainda mais por ser o primeiro campo-grandense e cidadão do MS a ser indicado ao do e-Sports”, celebra Giuh, sobre estar concorrendo na maior premiação do Free Fire da América Latina.

Para votar em Giuh, basta clicar neste link, escolher na categoria “Melhor Atleta de Free Fire”. É preciso fazer um rápido cadastro para poder votar quantas vezes quiser.

A Garena, dona da marca Free Fire, marcou o FFWS 2023, o campeonato mundial do Battle Royale, para 10 a 26 de novembro. Esse é o campeonato mais importante da temporada e o Brasil vai com três equipes representantes. Entre elas está o grupo do que Giuh faz parte, o ‘Magic Squad’.

Experiência em mundiais de Free Fire

O jogador campo-grandense de Free Fire, que desde 2021 mora em Campinas (SP) com a família, vai com experiência para a edição desde ano, já que também participou do mundial no ano passado.

“Acho que o meu primeiro mundial foi muito importante para meu amadurecimento como jogador. Aprendemos muita coisa importante. Agora conhecemos o melhor estilo de jogo para competição internacional. Esse ano estamos muito confiantes que esse título vai voltar ao Brasil”, revela Giuh, que terminou 4ª colocação do mundial com a equipe no ano passado.

Assim como no ano passado, o campeonato acontecerá em duas etapas. A edição deste ano, porém, terá uma Fase de Grupos com seis rodadas, que ocorrerão entre os dias 10 e 19 de novembro.

Durante esta etapa, os 18 times serão divididos igualmente em três grupos para batalhar entre eles. As 12 melhores equipes seguirão para a fase , quando se enfrentarão por três dias para reivindicar o título mundial de Free Fire.

Treinos intensos em busca do BOOYAH

Para garantir o mais importante ‘BOOYAH’ (vitória, na linguagem do Free Fire) da temporada, Giuh treina com a Magic Squad cerca de 10h por dia. “Minha rotina de treino começa com o treino coletivo do time às 10h da manhã e vai até às 20h. Após isso eu gosto de treinar meu individual”, diz à reportagem.

De olho no mundial, a Magic Squad teve um ano de 2023 repleto de BOOYAHs. Em sete competições que disputaram, como a Copa Internacional TK e o Brasileirão Ultimate, conquistaram o primeiro lugar em todas elas.

Conforme a imprensa especializada, a equipe opta por um estilo de jogo coeso, equilibrando agressividade no início de jogo, uma boa coleta de recursos ao redor dos mapas jogados no Free Fire e um final de jogo muito bem executado.

“A questão estratégica do time fica a parte do coach e do capitão, que decidem as melhores decisões e as melhores jogadas em cada situação”, explica Giuh.

Além do campo-grandense, também integram a equipe Yago Vinicius, “Bops” Carvalho, Pedro “But” Borges, Erick “Erick11” e Lucas “LUUUKING” Vinicius (treinador).

free fire
Equipe do Magic Squad (Divulgação, Garena)