O vice-presidente de futebol do Flamengo, Marcos Braz, brigou com um torcedor do clube carioca dentro do Barra Shopping, no Rio de Janeiro. Filmado por testemunhas, as imagens da confusão ganharam as redes sociais nesta terça-feira e demonstraram o clima hostil da diretoria com sua torcida após a derrota na primeira partida da decisão da Copa do Brasil com o São Paulo – derrota de 1 a 0 no Maracanã. Após a confusão, os dois foram levados pela polícia até o 16º DP da cidade para prestar depoimentos e dar esclarecimentos sobre o ocorrido.

Depois de mais de quatro horas, Braz e o torcedor, identificado como Leandro Campos da Silveira Gonçalves, deixaram a delegacia com seus respectivos advogados. “O Marcos Braz foi envolvido numa perseguição, coisa premeditada. (…) O Marcos Braz estava com a filha dele, uma situação totalmente constrangedora, foi ameaçada a vida dele na frente da filha, e ele tomou uma reação. Ele é a vítima nessa história, ele vai correr atrás dessas pessoas, a polícia vai correr atrás dessas pessoas. Para mim, esse tipo de coisa, ameaça, perseguição, não pode acontecer, isso é crime”, explicou Rodrigo Dunshee de Abranches, vice-geral do clube e do departamento jurídico do Flamengo.

Abranches afirmou que uma das torcidas organizadas ligadas ao clube carioca criou um disque-denúncia para encontrar jogadores e dirigentes que estivessem bebendo e se divertindo após a derrota do time na primeira partida da final da Copa do Brasil. Leandro Campos é um dos integrantes da torcida em questão.

A confusão desta terça-feira fez com que parte da cúpula da direção do Flamengo começasse a se movimentar para que Marcos Braz fosse retirado do quadro de dirigentes do clube. Contudo, o presidente Rodolfo Landim voltou a afirmar que Braz só sai após o fim do seu mandato.

Versão do Torcedor

Já a defesa de Leandro Campos da Silveira vê de maneira diferente a confusão no Barra Shopping. De acordo com a advogada do torcedor, Leandro reclamou sobre o time e a situação do clube com o dirigente e, ao virar de costas e se retirar do local, foi agredido pelo dirigente e seus seguranças. Braz teria mordido sua virilha.

Histórico

A briga de Marcos Braz com o torcedor nesta terça-feira é o terceiro episódio de agressão no Flamengo em pouco mais de 50 dias. No fim de julho, o atacante Pedro levou um soco do preparador físico Pablo Fernández no vestiário da Arena Independência, em Belo Horizonte, após a vitória contra o Atlético-MG. O membro da comissão de Sampaoli foi demitido por Braz.

Já em 15 de agosto, Gerson e Varela trocaram agressões durante um treinamento da equipe no Ninho do Urubu. O lateral teve o nariz fraturado pelo companheiro de equipe na briga. A delegação deve chegar a São Paulo, para o jogo de domingo, no Morumbi, ainda no sábado.

Com informações da Agência Estado