Desde outubro, o valor das contas de energia tem assustado a população de Campo Grande e nas redes sociais é a pauta reclamação do momento. Relatos de contas residenciais que passaram de R$ 400 para R$ 700 e até R$ 1 mil se espalham, mas há um fator em comum: o calor. Se você está enfrentando essa situação e tem dúvidas, confira como consultar detalhes da sua conta e até parcelar os débitos.

Mato Grosso do Sul vive dias de calor extremo e desde setembro viu a temperatura ficar até 5°C mais alta. As ondas de calor fizeram Campo Grande bater recordes consecutivos, chegando a 36,8°C em setembro e 39,4°C em outubro. E o que isso tem a ver com a conta de energia? Tudo.

Além do aumento no consumo de ares-condicionados, ventiladores e climatizadores, o calor também impacta no consumo de outros eletrodomésticos. Aparelhos com compressores de ar, como geladeiras e freezers, são altamente impactados pelo calor externo e, claro, refletem na conta de energia.

Coordenador comercial da Energisa, Jonas Ortiz explica que quando a temperatura externa está em 20°C, aparelhos com compressores de refrigeração passam mais tempo desligados. Porém, quando a temperatura externa passa dos 30°C, esses aparelhos precisam passar muito mais tempo ligados para manter a temperatura interna.

“É por esse motivo que mesmo mantendo a rotina da casa a conta de energia sobe, porque o consumo desses aparelhos aumenta devido ao calor externo. É previsto que de outubro a dezembro o consumo aumente justamente por esses fatores”, explica Ortiz.

Tabela de gastos de energia de equipamentos de refrigeração (Foto: Energisa)

Aumento de impostos impactam na conta

Uma pergunta frequente entre os consumidores é se houve aumento no preço da energia nos últimos meses. Mas a resposta é não, o preço da energia continua o mesmo e o reajuste anual acontece em abril. Porém, o aumento no consumo impacta na cobrança de impostos.

Um exemplo claro é o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), cuja cobrança incide de acordo com as faixas de consumo. Dessa forma, para consumidores residenciais que consomem:

  • Até 50 kw/h – Isento de ICMS
  • De 51 a 200 kw/h – 17% de ICMS
  • De 201 a 500 kw/h – 20% de ICMS
  • Acima de 501 kw/h – 25% de ICMS

Ortiz esclarece que o consumidor precisa ficar atendo à faixa de consumo, pois pode acontecer de um pequeno aumento gerar um grande impacto no valor.

“Às vezes o consumo passou de 199 para 201 kw/h, mas mudou a faixa de cobrança de ICMS e isso tem um impacto bem maior na conta”, explica. Além disso, a cobrança de iluminação pública também varia de acordo com a faixa de consumo e a cidade onde a pessoa reside.

Em meio aos dias de calor extremo é possível economizar?

Diante das reclamações de consumidores, o Concen (Conselho de Consumidores da Energisa MS) fez a conta para saber se houve cobrança desproporcional diante dos últimos meses e a presidente Rosimeire Costa explica a resposta.

“Nós fizemos essa conta, mas não teve aumento no preço da energia. É mesmo o consumo que aumentou, um ar-condicionado de 10 mil btus ligado durante o mês, por exemplo, ele dá um impacto considerável nas contas de energia. E mesmo aqueles que não têm ar-condicionado, em dias de muito calor, acabam consumindo bem mais”, conta.

A presidente do Concen ainda destaca que nos dias de calor intenso, a geladeira pode ser uma grande vilã do consumo. “O abre e fecha da geladeira durante um dia quente pode aumentar muito o consumo, isso porque o equipamento vai precisar passar mais tempo ligado para permanecer ligado”.

Equipamentos antigos podem consumir ainda mais energia elétrica, por isso é importante ficar atento a algumas situações. Verifique se os equipamentos da casa têm o selo Procel e se o consumo é A, que indica maior eficiência no consumo de energia. Equipamentos com indicação B, C ou D devem ser utilizados com cuidado.

Sobre a geladeira há um teste importante e que deve ser feito. Feche a porta com uma folha sulfite e tente puxar a folha. Se ela sair com facilidade significa que a borracha não está vedando a porta e consequentemente liberando o ar gelado de dentro, fazendo com que a geladeira passe mais tempo ligada. Nesses casos, é necessário trocar a borracha.

Tabela de consumo de ar-condicionado (Foto: Concen/MS)

Pesou no bolso? Fatura pode ser parcelada

Para ver detalhes sobre o seu consumo, você pode conferir os detalhes dos kWh consumidos pela sua residência em diferentes períodos do ano.

Na sua fatura impressa ou online, ainda na primeira página, é possível ver um quadro de consumo, à direita. Nele, há o resumo dos dias, faturas e também em qual mês houve mais consumo. Na última página da fatura também há detalhamento dos kWh mês a mês.

Confira no exemplo abaixo:

E se os valores cobrados estão além da sua capacidade de pagamento, a concessionária também disponibiliza opções de parcelamento de débitos. Para consultar a sua situação, é possível acessar a agência digital da Energisa neste link e selecionar a opção ‘Parcelamento’.

Consumo de energia em MS bateu recorde em setembro

Na primeira onda de calor registrada em Mato Grosso do Sul, na segunda quinzena de setembro, o consumo de energia bateu recordes. Segundo a Energisa, nos dias 21, 25 e 26 de setembro, o Estado atingiu os índices mais altos de consumo de energia já computados pela companhia.

No dia 21, primeiro grande pico, o consumo chegou a 1.248 watts por hora. O recorde foi batido quatro dias depois, quando no dia 25 a empresa registrou uso diário de 1.395 watts por hora. No dia seguinte, 26 de agosto, uma nova elevação: 1.403 watts por hora.

Apenas a diferença de elevação no consumo entre os dias 25 e 26 de agosto seria capaz de abastecer toda a cidade de Dourados por mais de um dia. “Em abril, junho e agosto nós superamos o consumo de energia no comparativo com os mesmos meses do ano passado”, detalha Jonas Ortiz, coordenador comercial da Energisa.

Energisa e Concen alertam para aumento no consumo

O calor tem feito o consumo de energia disparar no Mato Grosso do Sul e tanto a Energisa quanto o Concen/MS tem alertado consumidores sobre o uso consciente da energia. Isso porque a tendência é o consumo aumentar ainda mais nos próximos meses.

“Dezembro está chegando e com ele as escolares. Isso significa em casa o dia todo, pais mais tempo em casa e o calor parece que não dará trégua. Por isso é importante economizar para evitar sustos na conta”, explica Rosimeire Costa, presidente do Concen/MS.

Usar chuveiros no modo , fechar portas e janelas quando o ar-condicionado estiver ligado e colocar o ventilador em frente de um recipiente com água, pode amenizar o calor no ambiente e também aliviar o bolso.

A Energisa esclarece ainda que quando o consumidor pede a revisão da tarifa, ela é feita, mas o que acontece é que na grande maioria das vezes o consumo realmente aumentou muito. “É preciso um consumo consciente da energia para evitar sustos”, afirma Jonas Ortiz.

Saiba Mais