Ônibus do voltaram a circular nesta quinta-feira (19), após o dia de paralisação dos motoristas na quarta (18). A categoria reivindica reajuste salarial e não entrou em acordo com a empresa. Os trabalhadores votam em assembleia indicativo de greve no sábado (21).

Também está prevista para esta quinta-feira rodada de negociação entre a Prefeitura de , o conselho de regulação de serviços públicos e o Consórcio Guaicurus, grupo que explora o da Capital há 10 anos. A expectativa é que a tarifa de ônibus que hoje custa R$ 4,40 passe para R$ 4,80.

Conforme o STTCU-CG (Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Coletivo Urbano de Campo Grande), no fim de semana os trabalhadores vão decidir se farão greve por tempo indeterminado, enquanto aguardam avanço nas negociações por reajuste salarial e nas condições de trabalho.

A ata de convocação soma cerca de 1.500 profissionais para o encontro que acontecerá às 8h30, na sede do sindicato.

“O Sindicato convoca todos os trabalhadores da categoria na base territorial de Campo Grande para discussão e deliberação acerca das seguintes ordens do dia: 1) informes sobre o impasse das negociações salariais de 2022 e seus desdobramentos jurídicos e; 2) deliberação sobre deflagração geral de greve”, diz o texto.

Caso os trabalhadores decidam pela greve, a decisão deve ser comunicada aos empregadores e aos usuários com antecedência mínima de 72 horas da paralisação.

onibus
(Foto: Henrique Arakaki/Jornal Midiamax)

Reajuste dos motoristas

A categoria pede reajuste de 16%, enquanto os empresários pontuaram o limite de 6,5% com a argumentação que a tarifa da passagem precisa sofrer aumento de R$ 4,40 para R$ 8 para conseguir arcar com as despesas e acordo trabalhista.

Após audiência de conciliação no TRT (Tribunal Regional do Trabalho), entre os motoristas do transporte público e o Consórcio Guaicurus, ficou definido que reunião na quinta-feira (19) irá definir o valor da tarifa do transporte público.

Conforme informado pela prefeita Adriane Lopes (Patriota), a tarifa técnica (valor final que o Consórcio vai receber por passageiro, considerando os subsídios aos alunos de escola pública) foi proposta em R$ 5,80 após estudos da agência de regulação municipal. Com isso, o “passe” pode ter valor definido entre R$ 4,65 e R$ 4,80.

“Propusemos a tarifa técnica que será discutida e aprovada amanhã, às 14h pelo conselho, onde será discutida junto com a empresa (Consórcio Guaicurus) e a Agereg. Amanhã vamos concretizar a proposta”, disse.

Tarifa de ônibus mais cara

Para que o novo valor da tarifa seja definido, Adriane disse que ainda aguarda o valor do subsídio do Governo do Estado para aporte do passe estudantil dos alunos da rede estadual. O valor, que em junho foi de R$ 7 milhões, deverá ser definido conforme o número de alunos matriculados.

O Consórcio Guaicurus informou na reunião que, após a definição da tarifa, “fará esforço possível” para que possam trabalhar na possibilidade na demanda dos motoristas, que pedem reajuste de 16% no salário. O sindicato da categoria disse que a partir desta quinta-feira (19) o transporte volta a funcionar normalmente em Campo Grande e assembleia para votar greve acontece no sábado (21).

Em junho de 2022, Termo de Convênio nº 32.097 transferiu R$ 7,2 milhões (pouco mais de R$ 1 milhão por mês) em recursos do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul para ajudar a arcar com a gratuidade do passe dos estudantes de Campo Grande. O termo foi publicado em edição extra do de 30 de junho.

*Com Ranziel Oliveira.