Prefeitura de Bonito alerta que alimentar animais silvestres é crime ambiental e leva risco aos animais

Alguns moradores e turistas tem praticado esse tipo de atitude ilegal
| 12/07/2022
- 18:03
Prefeitura de Bonito alerta que alimentar animais silvestres é crime ambiental e leva risco aos animais
Ilustrativa (Foto: Divulgação / Prefeitura de Bonito)

A Prefeitura de , por meio da Sema (Secretaria Municipal de ), alerta aos moradores e turistas de Bonito que alimentar animais silvestre é crime ambiental, previsto na Lei Estadual de Crimes Ambientais, 5673/2021.

O artigo 3º afirma que. ‘Considera-se abuso ou maus-tratos contra os animais, entre outras condutas cruéis: (I…) – VIII – oferecer alimento sem autorização do órgão responsável a animais silvestres em vida livre, nas áreas públicas, privadas e Unidades de Conservação’.

A questão é muito séria em Bonito, porque os turistas desejam a experiência do contato com a fauna silvestre e muitas vezes incorre no uso ilegal de cevas e alimentação inadequada. No Balneário Municipal Rio Formoso, por exemplo, já houve um tempo em que as pessoas compravam salgadinhos para oferecer aos peixes e isso rendia fotos incríveis, mas desencadeou uma grande discussão sobre a saúde dos animais e o impacto que isso estava causando em seu processo reprodutivo. Na oportunidade foi proibido qualquer tipo de alimento humano para os peixes no atrativo municipal.

Atualmente, o problema são os macacos prego que invadem as mesas dos restaurantes pegando comida e bebida dos pratos, abrindo lixeiras e mexendo nas bolsas dos banhistas em busca de alimento. Um comportamento que é estimulado vez ou outra por visitantes (moradores e turistas) que compartilham seus alimentos, ou até mesmo trazem de casa frutas para os macacos.

Risco aos animais

“Esses animais já possuem suas dietas alimentares adequadas, mesmo em períodos de seca como o que estamos entrando agora. Alimentos humanos possuem açucares, sal, temperos e uma infinidade de produtos químicos que interverem na saúde bucal e biológica dos macacos, o que pode levar ao desenvolvimento de doenças que afetem todo o bando. Outro fator considerado na proibição da alimentação de fauna silvestre é que ao oferecer alimento fácil se interfere no comportamento destes animais tornando-os vulneráveis a predadores (humanos ou não), além de diminuir sua capacidade de sobrevivência na natureza, alterar seus ciclos reprodutivos, tornando-os dependentes do alimento fornecido pelos humanos.” Afirma Ana Trevelin, Secretaria de Meio Ambiente.

A gestão ressalta que os macacos pregos podem ser muito agressivos e perigosos, podendo transmitir doenças como raiva, febre hemorrágica, hepatite e tuberculose.

Oferecer cevas em atrativos turísticos ou meios de hospedagem, por exemplo, pode ser feito se apresentado projeto de manejo com tipo de alimento, horários, quantidades, pontos específicos para o órgão licenciador, Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). Não havendo autorização expressa o empreendimento fica sujeito a multa ambiental.

A Prefeitura Municipal fará investimentos para ampliar a sinalização informativa para os visitantes, mas pede apoio à população para que ajudem a disseminar a informação de que é crime ambiental oferecer alimentos para a fauna silvestre. (Com informações da Prefeitura de Bonito).

Veja também

A PMA (Polícia Militar Ambiental) e Bombeiros de Bonito resgatam anta de 250 kg ferida...

Últimas notícias