Interdições aumentam no Centro e motoristas tentam desviar de obras do Reviva em horário de pico

Rua 13 de Maio entrou nas interdições do Reviva e aumentou congestionamentos
| 24/05/2022
- 09:01
Obras Reviva na 13 de Maio
Rua 13 de Maio passa por recapeamento. (Foto: Marcos Ermínio/Midiamax)

Começou nesta terça-feira (24) o recapeamento da Rua 13 de Maio, no Centro de Campo Grande, somando mais uma interdição, desta vez total da via, com obras do Reviva. Para evitar transtornos, condutores relatam que estão evitando passar pelos locais de maior fluxo em horário de pico e visitar pontos da região central.

O ponto de interdição de hoje na 13 de Maio vai da Avenida Mato Grosso a Rua Maracaju. O cruzamento com a Antônio Maria Coelho ficará parcialmente fechado. A previsão é que o trecho seja liberado ainda no mesmo dia.

Segundo equipes da Agetran (Agência Municipal de Trânsito), houve congestionamento nas primeiras horas da manhã na Avenida Mato Grosso devido a maior circulação de veículos e parada para desembarque de estudantes no Colégio Dom Bosco.

Entretanto, o sufoco no trânsito só foi registrado nos horários de pico, quando alunos estão a caminho das escolas e moradores ao trabalho. Nas horas seguintes, o fluxo de carros e motos seguia normal, com congestionamento breve entre os cruzamentos.

Interdição-Reviva
Fabiana diz que é preciso ter calma no trânsito da região Central. (Foto: Marcos Ermínio/Midiamax)

Passando uma semana na Capital, Fabiana Ribeiro, que é do município de Miranda, disse que o ideal é ter calma e não ter pressa. “Está bem difícil, mas tem que ir bem devagar. Tive dificuldade de me localizar com tanta interdição, tenho que procurar rotas alternativas”, comenta.

Há sinalização informando sobre as obras e interdição nas quadras acima dos pontos de concentração das máquinas. Além das placas indicando “Obras a 100 metros”, também estão distribuídas faixas de aviso e uma viatura da .

Tgeon Maquiere, de 59 anos, passando pela Santa Casa, também concordou que a situação está complicada, principalmente, para quem precisa passar todos os dias nos trechos da região central.

“Mas se é para o bem da cidade, tudo bem. Tenho evitado passar pelo Centro, se a pessoa sabe, é bom evitar, igual estou fazendo”, disse.

Jeferson-Reviva
Jeferson é um dos condutores que prefere evitar passar pelo Centro. (Foto: Marcos Ermínio/Midiamax)

Próximo dali, na Rua Rui Barbosa, entre Avenida Afonso Pena e a Dom Aquino, o trecho também segue totalmente interditado para construção e manutenção das calçadas. Jeferson Pereira Ricardo, estudante, ressaltou que não está sofrendo transtornos no trânsito, já que tem evitado passar pelos locais.

“Não venho muito ao Centro, mas está complicado. Fico atento ao trânsito, mas, por hora, não precisei mudar de caminho”.

Rotas e locais de obras Reviva

A requalificação da área central faz parte do Programa Reviva Campo Grande. A segunda e última etapa dos trabalhos será entregue em Setembro. Ao todo, a do microcentro engloba 21 km de vias, num quadrilátero formado da Avenida Fernando Corrêa da Costa até a Avenida Mato Grosso, e da Avenida Calógeras até a Rua José Antônio. As ruas Dom Aquino, Marechal Rondon e Barão do Rio Branco terão uma área um pouco maior, até a Rua Joaquim Nabuco, no antigo Terminal Rodoviário. No final do mês de março foi entregue a primeira etapa da requalificação. Além do quadrilátero, o Reviva contempla 7 km da Rua Rui Barbosa, transformando-a no Corredor de Transporte Coletivo mais moderno da capital.

Veja também

Associação vai utilizar dinheiro arrecadado com vendas de comidas, bebidas e brinquedos para comprar cestas básicas para moradores em dificuldades financeiras

Últimas notícias