Campo Grande encerra vacinação e só aplica a 2ª dose a partir desta segunda

Campo Grande encerrou a vacinação dos idosos com 80 ou mais contra o coronavírus. Doses são suficientes somente para a aplicação da 2ª dose.
| 15/02/2021
- 14:03
Campo Grande encerra vacinação e só aplica a 2ª dose a partir desta segunda
Idosos são prioridade no grupo de vacinação contra Covid-19. (Foto: Leonardo de França, Midiamax) - Idosos são prioridade no grupo de vacinação contra Covid-19. (Foto: Leonardo de França, Midi

Campo Grande encerrou no último sábado (13) a vacinação dos idosos com 80 ou mais contra o . A partir desta segunda (15), quem procurar unidades de saúde ou o drive-thru do Aero Rancho, não irá conseguir se vacinar. As vacinas de reserva na Capital são suficientes somente para a aplicação da segunda dose.

O calendário da campanha de vacinação de Campo Grande foi montado com base na quantidade de doses enviadas pelo . Por enquanto, Mato Grosso do Sul não tem data para receber novas doses. Diante da situação, a Prefeitura de Campo Grande informa que realiza a aplicação da segunda dose em profissionais da saúde, idosos que vivem em asilos e idosos acamados.

“Com a conclusão da aplicação do imunobiológico no público estipulado pelo Ministério, as doses sobressalentes são somente aquelas que foram destinadas ao município com o fim de ser aplicada a segunda dose nas pessoas que já tomaram a primeira”, informou a Prefeitura.

Como não há previsão da chegada de novas doses, Campo Grande ainda não tem data para vacinar um novo público. “Nesse primeiro momento está sendo aplicada a segunda dose em que atuam em hospitais e unidades da prefeitura, equipe de socorros de salvamento, idosos asilados e população acamada. Essa vacinação é feita com equipes volantes”.

Conforme dados do Vacinômetro, Campo Grande aplicou 32.116 doses da vacina contra o coronavírus: 26.791 para primeira dose e 5.325 para segunda dose. O município recebeu total de 51.335 doses e já vacinou 57,7% do público-alvo da primeira fase.

Veja também

Produtos ficaram mais caros por conta da pandemia e guerra na Ucrânia.

Últimas notícias