Vendas chegam à R$ 20 mil por dia

Com um início de ano difícil para o comércio, lojistas estão buscando novas formas de vendas e estão indo direto aos clientes. Durante a , donos de óticas viram uma saída para recuperar os investimentos, evitar o desemprego e manter o negócio. Pequenas mesas espalhadas pelo Centro de Eventos Albano Franco, os comerciantes espalham armações de óculos e com distribuição de panfletos vão trabalhando no convencimento do cliente.

Segundo informações, comerciantes afirmam que as vendas no evento estão correspondendo ao dobro que estavam comercializando nas lojas. “O cliente que sumiu das nossas lojas encontramos aqui na Caravana da Saúde. Foi a melhor coisa para o nosso comércio, deu uma virada nos negócios e animou todo mundo”, comemora o empresário Rogério Ferreira, sócio de uma rede de três lojas de ótica.

Os comerciantes disponibilizam aparelhos e realizam promoções com descontos de até 60% para atrair os clientes. “Perdemos no valor, mas ganhamos na quantidade. Vendemos uma média de dez armações ou lentes por dia, nas lojas não chegavam a dois”, conta Vando Barbosa, que também está com ponto de vendas na ação.

A Caravana da Saúde gera atendimento humanizado e ajuda a eliminar as filas de pacientes do SUS (Sitema Único de Saúde) que estão esperando por cirurgia. Por conta desse atendimento, milhares de pessoas tem procurado o serviço e isso foi o que chamou a atenção dos comerciantes.

Estima-se que foram mais de 12 mil cirurgias de catarata no evento, um número recorde de cirurgias oftalmológicas na Capital.  

(Sob supervisão de Mayara Sá)