A Cidasc (Companhia de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina) informou em comunicado que o primeiro caso de gripe aviária na cidade de Maracajá, em Santa Catarina, não compromete a condição sanitária do estado e do Brasil como livre de influenza aviária de alta patogenicidade, já que a produção comercial segue sem nenhum registro.

Em nota, a companhia esclareceu que todas as medidas sanitárias estão sendo aplicadas para contenção e erradicação do foco, assim como a intensificação das ações de vigilância em populações de aves domésticas na região. Novas medidas poderão ser adotadas pelo Mapa (Ministério da Agricultura e Pecuária) e pela Cidasc para evitar a disseminação do vírus e manter a avicultura catarinense protegida.

“O Estado segue em alerta máximo à adoção das medidas de biosseguridade para a avicultura comercial e a proibição de visitas de pessoas alheias ao sistema de produção. Permanece também a recomendação da restrição de acesso ao ambiente externo para aves criadas livres e mesmo aves de subsistência, a fim de proteger a saúde e segurança do plantel avícola catarinense. A realização de exposições, torneios, feiras e demais eventos com aglomeração de aves continua suspensa em todo território catarinense e nacional”, pontua.

Monitoramento e regras

Produtores devem ficar atentos aos sinais clínicos de influenza aviária, como dificuldade respiratória, andar cambaleante, torcicolo ou girando em seu próprio eixo, ou mortalidade alta e súbita, informando imediatamente a Cidasc através do e-Sisbravet no link; diretamente em um escritório local da Cidasc; ou pelo telefone: 0800 643 9300.