O MPF (Ministério Público Federal) instaurou inquérito civil para acompanhar o andamento das investigações sobre a morte de dois indígenas em Amambai, que teria ligação com o conflito da Retomada Guapoy, em junho deste ano. A portaria foi publicada na edição desta segunda-feira (21) do Diário do MPF Eletrônico.

Indígenas Guarani-Kaiowá entraram em conflito com a PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul) durante a retomada de um território considerado tradicional. Vito Fernandes, de 42 anos, morreu durante o confronto.

Um mês depois, Márcio Moreira, de 25 anos, foi vítima de uma emboscada. Ele foi morto a tiros e também com golpes de faca. Ele era um dos líderes Tekoha Gwapo’y Mi Tujury.

Em setembro, Vitorino Sanches, 60 anos, foi executado por pistoleiros que estavam em uma motocicleta. Ele chegou a ser socorrido para o Hospital Municipal de Amambai, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos.

As duas vítimas estavam no confronto da Retomada Guapoy, que motivou o MPF a instaurar procedimento preparatório para acompanhar as repercussões do conflito, incluindo as mortes após os fatos.

Como o prazo da investigação terminou sem que houvesse elementos suficientes para qualquer ação do órgão, o procedimento foi convertido em inquérito civil.

O procurador Marcelo José da Silva deu 20 dias para que a Polícia Civil informe o andamento das investigações sobre os assassinatos de Márcio e Vitorino. A investigação do confronto segue com a PF (Polícia Federal).