Assistentes sociais querem cumprimento de promessa

Oito assistentes sociais aprovadas em concurso público da Prefeitura de no final de 2013 ingressaram ação na Justiça para que sejam convocadas. De acordo com os autos, inicialmente apenas 10 pessoas foram chamadas, com promessa de que as vagas que surgissem seriam preenchidas pelos aprovados.

Em janeiro de 2016 a validade do concurso foi prorrogada por mais dois anos, contudo, em dezembro de 2015, segundo a inicial, foi informado pelo secretário de Administração da época, Ricardo Ballock, que 168 cargos de assistentes social estavam ocupados e outros 207 vagos, sendo que destes somente três seriam preenchidos pelos concursados.

“Sendo então convocados os candidatos classificados na ordem de: 12º, 13º e 14º de classificação no Concurso Público em comento. A par disto, em que se tem a prova irretorquível da existência de no mínimo 204 cargos de Assistente Social vagos, ou seja, a cabal demonstração do surgimento de vagas durante a validade do concurso”.

Para embasar a ação a defesa do grupo cita a contratação de terceirizados via Seleta Sociedade Caritativa e Humanitária e Omep (Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar) que ocupam ou ocupavam, inclusive, funções na área da .