Por 12 votos a favor e um contrário, do vereador Gabriel Auto Car, citado nas investigações da Operação Tromper, a Câmara de Sidrolândia, distante 70 quilômetros de Campo Grande, abriu nesta terça-feira (23) investigação contra a prefeita Vanda Camilo (PP).

Agora, os vereadores vão definir quem deve compor a Comissão Processante, que pode cassar o mandato da prefeita. Ao Jornal Midiamax, membros da oposição disseram que a abertura da investigação serve apenas para amenizar os ânimos da população local.

“Não vão cumprir o papel de legisladores, não vai dar em nada. A maioria é base da prefeita, não vão condená-la. A gente espera que a investigação na Justiça faça algo, porque aqui é só deboche com a população”, comentou.

A Polícia Militar foi acionada para acompanhar a sessão nesta terça-feira na Casa. Antes da votação, o presidente da Câmara, Otacir Figueiredo, o Gringo (PP), disse que ele e a prefeita Vanda Camilo (PP) estavam ‘muito tranquilos’ com o pedido de abertura de uma comissão processante a ser votado.

PMs na Câmara (Nathalia Alcântara, Midiamax)

Pedido de investigação

Na última semana, o vereador Enelvo Felini Júnior (PSDB) fez a leitura do requerimento que protocolou na Câmara de Sidrolândia para pedido de abertura de comissão processante contra a prefeita Vanda Camilo (PP). Presentes na sessão, moradores da cidade pediram regime de urgência na tramitação.

“Sei que todos que estão aqui pedem uma Sidrolândia mais limpa e transparente. Peço que todos os vereadores se atentem a nossa responsabilidade de fiscalização, e em atenção a todos os moradores de Sidrolândia”, disse na ocasião.

Vereador Gabriel e Gringo

Investigações do Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção), que levaram à prisão do vereador de Campo Grande Claudinho Serra (PSDB) e de outros sete na terceira fase da Operação Tromper, mostram indícios que o suposto grupo criminoso teria envolvimento com os parlamentares da Câmara de Vereadores de Sidrolândia, inclusive com o presidente da Casa, Otacir Figueiredo, o “Gringo” (PP).

O Gecoc também apontou indício de repasses mensais da Prefeitura Municipal de Sidrolândia para o vereador Izaquel de Souza Diniz, vulgo “Gabriel Auto Car” (PATRIOTA). O parlamentar foi um dos 28 alvos de busca e apreensão da terceira fase da Operação Tromper, em 3 de abril.

Em 1º de agosto de 2022, Tiago Basso envia mensagens para Claudinho Serra, então secretário de Fazenda, informando que teria assuntos para tratar sobre o vereador “Gabriel”. 

Em 9 de agosto, oito dias depois, Tiago Basso conversa com um contato nomeado como “Vereador Gabriel”, identificado como o parlamentar Izaquel Diniz. Ele envia foto de uma cartão bancário pertencente à cunhada, casada com o irmão do vereador, para o repasse de valores. Segundo o MPMS, essa seria uma estratégia para ocultar os repasses mensais. 

Na sequência, em 11 de agosto, o vereador enviou outra foto de cartão bancário da cunhada, mas desta vez pertencente a outro banco para fazer o envio de dinheiro. Nesse episódio, ele pede que Tiago agilize o pagamento. 

Escândalos de corrupção

A Prefeitura de Sidrolândia está envolvida em escândalos após a deflagração da Operação Tromper, que investiga possíveis fraudes de corrupção na gestão municipal.

O genro da prefeita, vereador Claudinho Serra (PSDB), foi preso no dia 3 de abril, acusado de ser o suposto mentor do esquema criminoso que desviava recursos públicos na época em que foi secretário de Fazenda.

Em outubro do ano passado, também em decorrência da Operação Tromper, o relatório final da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) contra a prefeita de Sidrolândia, Vanda Camilo (PP), pedia abertura de Comissão Processante por irregularidades e indícios de improbidade administrativa.

O relatório apontava indícios de ilegalidades em três contratos. Havia suspeita de dano ao erário, direcionamento e obras contratadas que não foram executadas.

Apesar do relatório, Vanda escapou de investigação por ter, à época, maioria dos vereadores na sua base de apoio na Câmara.

Vereador preso

Vereador de Campo Grande, Claudinho Serra (PSDB) foi preso após mandado de prisão autorizado pela Justiça por suspeitas de esquema de corrupção, durante a terceira fase da Operação Tromper.

O parlamentar é ex-secretário de Fazenda, Tributação e Gestão Estratégica de Sidrolândia e genro da prefeita Vanda Camilo.

Ele foi um dos oito alvos de prisão da operação, comandada pelo Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção), com apoio do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e da Polícia Militar, que apura corrupção na prefeitura de Sidrolândia.

Foram cumpridos também 28 mandados de busca e apreensão por suspeita de corrupção em contratos de asfalto, segundo divulgou o MPMS (Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul).

A investigação, tocada pela 3ª Promotoria de Justiça da Comarca de Sidrolândia, ratificou a efetiva existência de uma organização criminosa voltada a fraudes em licitações e contratos administrativos com a Prefeitura Municipal de Sidrolândia, bem como o pagamento de propina a agentes públicos municipais.

Também foi identificada nova ramificação da organização criminosa, atuante no ramo de engenharia e pavimentação asfáltica. Os contratos já identificados e objetos da investigação alcançam o montante aproximado de R$ 15 milhões.

A operação contou com o apoio operacional do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais), do Batalhão de Choque e da Força Tática da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso do Sul, além da assessoria militar do MPMS.