Câmara recebe projetos de subvenção de R$ 12 milhões e isenção de dívida do Consórcio Guaicurus

Proposta da Prefeitura de Campo Grande é colocada como forma de manter tarifa de ônibus
| 03/02/2022
- 14:04
Terminal de ônibus em Campo Grande.
Terminal de ônibus em Campo Grande. - (Foto: Jornal Midiamax, Arquivo)

A Prefeitura de Campo Grande entregou à Câmara Municipal dois projetos de leis que envolvem o , concessionária do transporte coletivo, sendo eles, a isenção e remissão do (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) e subvenção no valor de R$ 1 milhão por mês. Estas medidas são discutidas desde o começo do ano, quando foi decretado reajuste da tarifa de ônibus para R$ 4,40.

Em reuniões entre município, empresas, sindicato dos motoristas, entre outros, com o MPT (Ministério Público do Trabalho), ficou acordado que a Prefeitura de Campo Grande adotaria medidas como contrapartida para manter o passe com acréscimo de até 5%. Até o começo de 2022, era R$ 4,20, o Consórcio Guaicurus queria, no mínimo, R$ 5,15.

Segundo o artigo 2º do Projeto de Lei nº 793/22, a subvenção econômica será limitada em R$ 12 milhões por ano, que serão pagos em parcelas mensais de R$ 1 milhão, por meio de 'prévia celebração de termos aditivos ao contrato de concessão'.

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) tinha dito que avaliava repassar dinheiro ao Consórcio Guaicurus referente às gratuidades previstas em lei, como a dos estudantes da Reme (Rede Municipal de Ensino) — o que está descrito no projeto de lei.

Já a Proposta de Lei nº 792/22 isenta o ISSQN às empresas de ônibus do transporte coletivo neste ano e também perdoa dívida de 2021, quando o imposto era cobrado, mas não foi pago. Soma-se mais R$ 2,7 milhões que não precisarão ser quitados.

Há cinco anos, o Consórcio era isento, mas projeto de lei apresentado na ocasião determinava o retorno da cobrança de forma gradual, com 1% ao ano, até chegar aos 5% estabelecidos. Porém, a questão foi judicializada pelo transporte público e, ainda sem decisão definitiva, os valores foram recolhidos em juízo, ou seja, não chegou aos cofres públicos do município.

Veja também

Projeto aprovado vai arcar despesas de R$ 500 do auxílio aluguel do Recomeçar Moradia

Últimas notícias