Imagens de câmeras de segurança circulam em grupos de WhatsApp, desde a madrugada desta quarta-feira (11), quando ladrões foram flagrados furtando fios de cobre em um cruzamento da Rua Rio da Prata, no bairro Tijuca, em Campo Grande. A Polícia Civil investiga o caso.

Pelas imagens, é possível ver uma quadrilha estacionando um veículo popular, na cor prata. Em seguida, os homens descem do carro e começam a furtar os fios. A ação dura poucos minutos e mostra três suspeitos retirando e depois enrolando os objetos.

Em um grupo, as pessoas estão dizendo que, antes isso era crime de “noia”, porém, agora parecem ter quadrilhas especializadas agindo em Campo Grande, já que são frequentes os crimes deste tipo. A discussão sobre o assunto chegou ao poder público, que prometeu melhorar a eficiência na fiscalização dos depósitos receptadores de compra de fios e demais produtos de furtos.

Veja o vídeo da ação criminosa no bairro Tijuca:

Prefeitura promete “fechar o cerco” contra receptadores

Recentemente, durante coletiva de imprensa, a prefeitura prometeu “fechar o cerco” contra receptadores de fios de cobre, na tentativa de minimizar os furtos que atingem toda a cidade e causam prejuízo aos cofres públicos. Para isso, promete multa de R$ 10 mil e até cassação de alvarás de estabelecimentos comerciais.

Ao falar sobre o assunto, na última segunda-feira (9), a prefeita Adriane Lopes (PP) disse que o furto de fios tem impactado o funcionamento de escolas, semáforos, entre outros e que os reparos recorrentes tiram recursos de outras áreas. Para isso, deve publicar um decreto endurecendo as regras contra receptadores.

Cobre
Fios de cobre (Henrique Arakaki, Jornal Midiamax)

A princípio, qualquer pessoa pega com fios de cobre furtados receberá de R$ 10 mil, independente da quantia apreendida. Em caso de reincidência, o alvará comercial será cassado e a empresa responderá criminalmente.

“Nós decidimos instituir um decreto onde haverá punição para aqueles receptadores ou aqueles que compram os fios oriundos de furto na Capital. Uma ação conjunta para a busca de solução para um problema que é social na cidade, mas nós precisamos agir e intensificar essa fiscalização a partir de então”, afirma Adriane.

A ação conta com participação da Polícia Civil, Defesa CivilCâmara Municipal e Seges (Secretaria Municipal de Gestão).