Dois dos três presos que confessaram o assassinato de Célio Aparecido da Silva Santos na manhã desta sexta-feira (13) já haviam matado outro detento em julho do ano passado na mesma cela do Instituto Penal de Campo Grande no Jardim Noroeste.

Na época, o crime foi descoberto também durante ‘confere’ de presos. Carlos Quevedo da Silva, de 31 anos, estava encarcerado desde 2 de agosto de 2021, quando foi preso pela última vez, e cumpria pena por tráfico de drogas.

Conforme a denúncia, a dupla matou Carlos asfixiado, após discussão entre eles, por desentendimentos passados. 

A discussão se agravou e os autores, com uma corda improvisada de fragmentos de tecidos, enforcaram Carlos. Logo após o crime, a dupla forjou cenário de suicídio colocando o corpo da vítima em suspensão.

Assassinato

Os agentes faziam procedimento de confere dos presos quando na cela 3 do pavilhão 2, na ala solário disciplinar, chamou por Célio, porem não teve resposta.

Em seguida, os três presos que estavam na cela com a vítima confessaram que haviam matado o interno.

O chefe de equipe foi informado e os internos foram remanejados para a cela 02 para aguardar a chegada do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Perícia.

Não há informações sobre como o crime foi cometido, nem a motivação. O trio foi apresentado na delegacia para registro do flagrante de homicídio.