Mulher feita de escudo humano, sumiço de cartão e expulsão de boate, acabaram com tiros na Avenida Afonso Pena, em Campo Grande, e três pessoas feridas, sendo que um dos envolvidos no tiroteio acabou fugindo do hospital. Tudo o que se sabe sobre a confusão na boate:

  • O grupo de rapazes e mulheres estava na boate quando as jovens saíram para comer espetinho e logo depois os rapazes acabaram sendo expulsos do estabelecimento pelos seguranças.
  • Durante a expulsão dos rapazes, um deles teria ameaçado o segurança da boate: “isso não vai ficar assim”.
  • O grupo saiu no carro em direção ao nos altos da Afonso Pena, onde durante o trajeto fez disparos. Eles voltaram para a boate, sendo que os rapazes entraram novamente no local. 
  • Um policial de que estava na boate presenciou a briga entre os seguranças e os rapazes. A confusão teria sido motivada pelo sumiço de um cartão de crédito de um dos autores. 
  • Na confusão, um dos seguranças, se referindo ao cartão, teria dito a um dos rapazes: “Cancela e pede outro”.
  • Durante a briga, o policial de folga se identificou abordando o veículo onde estavam os ocupantes e dando voz de parada aos autores que fizeram disparos contra o policial que revidou.
  • Foi dada ordem para que todos descessem do veículo, sendo que um dos rapazes saiu com uma das mulheres de escudo humano para não ser atingido por tiros. O policial ordenou novamente que largasse a arma e deitasse no chão.
  • Neste momento, o rapaz largou a arma dizendo “não me mata” e largou a mulher que estava fazendo de escudo humano. 
  • Os feridos pelos tiros foram socorridos e levados para o hospital, mas um dos envolvidos acabou fugindo da unidade de saúde. 

Envolvido já havia sido preso pelo Choque com armas

Em maio deste ano, um dos envolvidos no tiroteio foi preso no bairro Jardim Canguru, com armas e munições por equipes do Batalhão de Choque. No dia 28, os policiais foram chamados para atender um caso de violência doméstica.

Mas quando chegaram ao apartamento encontraram um arsenal de armas escondidas nas dos filhos do autor. No total foram apreendidas cinco armas, sendo pistolas e revólveres, além de 153 munições. Na época, os policiais ainda encontraram em um saco 15 anéis, quatro brincos e dois pingentes.

Suspeito de assassinato

Ele também é suspeito do assassinato de Kleberson Gabriel Lescano Aragão dos Santos, de 19 anos, em 2021. Kleberson foi morto por tiros enquanto transitava como passageiro de um veículo de transporte por aplicativo, no Mário Covas, em 2021. Os suspeitos são dois homens que estavam em uma moto vermelha.

Ele estava no banco traseiro, sendo transportado junto com uma mulher, quando na Avenida Pedro Paulo Soares de Oliveira, continuação da Rua Campo Nobre, os dois executores se aproximaram do veículo e atiraram, atingindo o alvo na cabeça e no peito.

Equipes do Corpo de Bombeiros e Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) chegaram a ser acionadas, mas Kleberson não resistiu aos ferimentos e morreu no local, antes mesmo que pudesse ser transportado até o pronto-socorro. A mulher que o acompanhava e o motorista não se feriram no ataque.