Júlio César de Almeida, 45, foi condenado pelo Tribunal do Júri de pelo duplo homicídio contra o pai, João Antônio de Almeida e a madrasta, Elaine Chiapetti. Ele terá que cumprir 49 anos, 8 meses e 21 dias de prisão.

Os dois foram assassinados na manhã do dia 12 de junho de 2022, em suas próprias casa, com golpes de faca e machado. Os corpos foram encontrados pelo filho da mulher, que acionou a polícia.

O júri foi realizado após denúncia do promotor Luiz Eduardo Sant’anna Pinheiro, da 14ª Promotoria de Justiça de Dourados.

“Dado o quantitativo de pena aplicada e por se tratar de crime hediondo, praticado mediante violência conta a pessoa, o regime inicial é o fechado, sendo descabida a substituição ou a suspensão condicional da pena”, diz um trecho da sentença da sentença.

Entenda o caso

João levou seis facadas no pescoço e uma machadada na cabeça, enquanto Elaine foi atingida com três golpes de machado no ouvido e um no pescoço. A Polícia encontrou muito sangue no local.

Poucas horas depois  dos corpos serem encontrados, a polícia localizou o carro do casal, um Renault Logan, cor prata, que estava abandonado na Via Parque, região do Grande Cachoeirinha.

Em seguida equipe da Guarda Municipal encontrou Júlio, próximo ao local onde estava o veículo. Ele estava com ferimento na mão e, após ter sido constatado que estava evadido do sistema prisional, foi encaminhado ao semiaberto.

Policiais civis do SIG (Setor de Investigações Gerais) identificaram Júlio como suspeito pela morte do casal, logo ele foi encaminhado à Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário, Depac, de Dourados para ser interrogado, onde acabou confessando a autoria.