A manhã do dia 22 de setembro marcou a vida de uma jovem de 20 anos em Campo Grande. Ela seguia do trabalho para casa, quando foi atacada por José Carlos Santana, que ficou conhecido como “Maníaco do Parque das Nações Indígenas”, por perseguir e estuprar mulheres. Antes de atacar a jovem, uma de suas mais recentes vítimas, em Campo Grande, ele disse que aquele era o ‘dia de sorte’ dela e, depois disso, a levou para o carro e a estuprou.

Na tarde desta terça-feira (3), a jovem relatou os momentos horror vividos quando foi atacada. A vítima seguia em direção à Praça Ary Coelho, onde esperaria o ônibus de volta para casa, no entanto, começou a ser perseguida por José Carlos e pouco depois foi abordada por ele.

“Vi que tinha alguém atrás de mim. Estava de fone de ouvido e abaixei a música. Ele me pediu para parar. Achei que seria um assalto. Ele disse que a princípio iria me assaltar e me estuprar, mas que era o meu dia de sorte e não faria isso. Falou que iria passar a mão no meu corpo e ir embora. Ele me levou até o carro dele e me estuprou”, relata.

De acordo com os relatos, depois de cometer o crime, José Carlos ameaçou a vítima e disse para que ela não procurasse a polícia, pois sabia onde ela morava e iria matá-la. “Ele falou para eu não procurar a polícia, pegou meu endereço no celular, salvou no dele e depois abriu a porta do carro e me mandou sair andando. Eu estava em choque”, lembra.

A tia da jovem disse que a sobrinha vive ‘assombrada’ pelo medo de ser violentada novamente. “Ele acabou com a vida da minha sobrinha. Ela não vive mais. Não sai de casa sozinha, vive com medo. Só pedimos que a justiça seja feita de verdade e que ele realmente pague pelo que fez com ela e com outras mulheres”, ressalta.

Maníaco do Parque das Nações Indígenas

Em 2007, José Carlos foi preso depois de estuprar 10 mulheres. Em fevereiro de 2016 ele passou a cumprir pena em regime semiaberto em progressão. Segundo a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário Estadual), desde outubro de 2021, José Carlos estava em regime aberto cumprindo a pena em outra cidade com autorização judicial.

Ele foi preso nessa segunda-feira (2) por equipe da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher). A Polícia informou que ele tinha um lava-jato na região de Terenos, no entanto, os moradores da cidade afirmam que nunca o viram por lá. Nas redes sociais, José Carlos, aparece falando sobre limpeza de automóveis.

A delegada, Elaine Benicasa, revelou que ao ser preso, o ‘Maníaco do Parque das Nações Indígenas’ alegou que não conseguia se ‘controlar’ e ‘orava’ quando cometia os estupros.

Imagens de câmeras de segurança das ruas de Campo Grande mostram José Carlos perseguindo mulheres pelas ruas. Os estupros eram cometidos sempre pela manhã, quando as mulheres saiam para trabalhar. As vítimas eram escolhidas de forma aleatória.

As investigações apontam que nos últimos dois anos, o ‘Maníaco do Parque das Nações Indígenas’ estuprou quatro mulheres, uma delas, uma adolescente de 17 anos, no entanto, a Polícia não descarta a possibilidade dele ter feito mais vítimas.