Chegou em nesta quinta-feira (16) Kauê Vitor Santos da Silva, preso em 2017 na Operação Ostentação, que tinha como alvo uma quadrilha especializada em roubos de carros e tráfico de drogas. O réu, que estava no Presídio Federal de Mossoró (RN), chegou a ser apontado como pivô da segunda fase da Operação Omertà.

Conforme a advogada de defesa de Kauê, Fernanda Ferreira Viegas, a transferência foi feita a partir da renovação do pedido de manutenção da prisão, em que o advogado que atua pelo réu no Rio Grande do Norte solicitou que ele fosse encaminhado ao Estado de origem. Ele chegou nesta quinta-feira e vai para o Presídio de Segurança Máxima da Gameleira.

O juiz deferiu o pedido e a advogada afirma que ainda não teve contato com Kauê, sendo que toda comunicação entre eles era feita por meio do advogado daquele Estado. Ela ainda apontou que o réu, que tinha uma denúncia por homicídio duplamente qualificado, foi absolvido deste crime, sendo a sentença proferida pelo juiz Carlos Alberto Garcete, da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande em fevereiro deste ano.

Suposto pivô na Omertà

A segunda fase da Omertà, deflagrada em 17 de março, ocorreu após serem revelados planos de morte contra delegado de Campo Grande, promotor e um outro servidor público. Os planos, que teriam sido orquestrados por e Jamil Name Filho conforme apurou a investigação, estavam escritos em um papel higiênico.

Plano no papel higiênico: suposto pivô da Omertà 2 troca presídio em RN por prisão em MS
Papel foi encontrado na cela de Kauê (Arquivo, Midiamax)

Há indícios de que o papel foi encontrado com Kauê, que teria feito um ‘diário' com as informações trocadas entre os réus investigados da Omertà, uma vez que estaria em uma cela entre eles. O diretor do Presídio Federal de Mossoró comunicou o Depen (Departamento Penitenciário Nacional), que acionou Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao ) e o Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, e Sequestros).

A advogada Fernanda Viegas afirmou ao Jornal Midiamax que não foi notificada sobre envolvimento do rapaz, mas que não teve contato com ele ainda. O papel higiênico com as anotações resultou em novas prisões e mandados, cumpridos em março.

Operação Ostentação

A quadrilha era especializada em roubos de carros e tráfico de drogas em MS. A polícia recuperou durante a operação cinco veículos roubados: três motos, um caminhão e um carro utilitário. Outros 24 veículos foram apreendidos porque foram comprados, segundo a polícia, com o dinheiro do crime.

Kauê Vitor tinha um Camaro quando preso. A maior parte dos integrantes da quadrilha presos tinham passagens pela polícia. Na época, foram cumpridos 23 mandados de busca e apreensão. Na época da transferência para Mossoró, em 2018, já tinha sido feito pedido de retorno do réu para Campo Grande