A crise no mercado mundial é preocupante e pode afetar Mato Grosso do Sul a longo prazo, como afirmam economistas do Estado.

Para o assessor econômico da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul, Thales de Souza Campos, apesar da economia brasileira estar “muito bem”, a crise pode afetar a capacidade dos insumos.

“Dependemos muito do mercado externo, por conta do poder de consumo. O Estado tem cerca de 2,5 milhões de habitantes, muito pouco em relação à capacidade da produção. Dependemos muito da exportação de grãos e da pecuária e o excedente precisa ser exportado e é isso que nos preocupa”, alerta o economista.

“O grande risco do Brasil é o mercado externo. Tivemos uma grande crise em relação aos grãos no passado mas já estamos conseguindo agregar valores, por exemplo, na região do Bolsão”, finaliza.

O economista Áureo Torres acredita nos prejuízos para os produtores a longo prazo. “É preocupante para quem se endividou com a expectativa no mercado atual e agora, de repente, o cenário muda”, afirma.

“Com a crise, o dólar fica baixo e isso encarece as exportações, porque o produto fica muito próximo do preço de custo e diminui o lucro para o produtor”, diz o economista.