O Palmeiras chegou à Bolívia ainda na terça-feira (4) e já treinou em La Paz para o confronto desta quarta-feira (5) contra o Bolívar, na estreia do Alviverde na Copa . O confronto será às 20h30 (de MS) e, em campo, o time brasileiro deve ter um elenco dominado por reservas e jogadores da base, de olho na decisão do Paulistão.

A adaptação à altitude teve início na tarde de terça, no Clube de Huajchilla, na capital boliviana. Conforme a Agência Palmeiras, o time fez aquecimentos e, na sequência, separado por posições, ensaiou atividades específicas – lançamentos, trocas de passes, cruzamentos e arrematas.

Por fim, os atletas de linha fizeram um treino recreativo, enquanto os goleiros trabalharam variações de bola com o preparador Rogério Godoy. Por fim, o provável time titular ainda aperfeiçoou jogadas aéreas.

O Palmeiras que jogará na Bolívia deve desapontar torcedores: boa parte do time titular ficou em São Paulo, poupados para a decisão do no domingo (9). Derrotado por 2 a 1 pelo Água Santa, o Palmeiras precisa reverter a vantagem no placar, tendo a seu favor a torcida no Allianz Parque.

Weverton, Gustavo Gómez, Marcos Rocha, Zé Rafael, Raphael Veiga, Dudu, Rony e Endrick não viajaram, assim como Murilo, suspenso na última Libertadores. Contundido, Piquerez também é desfalque, devendo dar lugar a Vanderlan.

“Eu e todos aqui trabalhamos mentalmente todos os dias, então creio que estou preparado. Será um pouco diferente pela torcida adversária, mas me sinto pronto”, disse Vanderlan, que lamentou a lesão do uruguaio. “O futebol é isso: você tem de mostrar o seu melhor todos os dias. Claro que fico muito triste pelo Piquerez, não queria jogar nesta situação, mas acontece e precisamos estar prontos para corresponder dentro de campo”.

Palmeiras terá 15 jogadores da base em campo

O lateral falou ainda sobre a presença de 15 jogadores oriundos da base na delegação alviverde na Bolívia.

“Quando a minha geração subiu, a antiga ajudou muito a gente e agora a gente tenta passar isso para eles. No começo, é natural ficar um pouco tímido, mas quando tem a galera da base você passa a se soltar mais”, explicou Vanderlan, que comentou também sobre a altitude e o adversário.

Adversário desta quarta, o Bolívar é o clube mais tradicional do país vizinho, que trabalha duro para ganhar os holofotes no continente. Comemorando seu centenário, o time se tornou parceiro do Grupo City – dono do Manchester City e, no Brasil, sócio-majoritário do Bahia, entre outras parcerias pelo mundo.