Muitos clientes do Nubank foram surpreendidos com mensagem sobre a reestruturação dos BDRs (Brazilian Depositary Receipt) do banco e ficaram na dúvida em relação ao futuro da instituição financeira. Entenda nessa reportagem se o Nubank vai fechar e o que é a reestruturação das chamadas BDRs.

A mensagem ocorre poucos dias após a fintech chegar a 80 milhões de clientes no Brasil, ultrapassando o Banco do Brasil, que tinha 74 milhões de clientes em julho.

Então, o que muda?

Para clientes da empresa, não haverá alterações, segundo a instituição financeira.

A mudança se dará para investidores. Isso porque o banco já havia solicitado autorização para fechar capital no Brasil, ou seja, não terá ações negociadas na Bolsa de Valores.

Porém, para isso ocorrer, seria necessário aval do CVM (Comissão de Valores Mobiliários). A autorização foi dada no fim de junho e, assim, o banco iniciou seu programa de BDRs Nível III da companhia.

O que são BDRs?

Trata-se de um certificado de depósito de ações estrangeiras negociado na bolsa brasileira em reais e disponível para os investidores de renda variável que desejam investir no exterior. Neste sentido, é preciso destacar que os papéis dessas empresas não são negociados diretamente na bolsa brasileira, a B3 (Brasil, Bolsa, Balcão). Na verdade, os BDRs funcionam como recibos dos papéis de companhias que possuem capital aberto em alguma outra bolsa de valores

No caso do Nubank, o banco poderá deixar de negociar esses BDRs na Bolsa de Valores brasileira no nível III, passando para o I. Vale ressaltar que a empresa continua com suas ações negociadas na bolsa de Nova Iorque.

Em nota, o Nubank reforça: “O plano de reestruturação foi concebido para garantir que os BDRs continuem a ser listados e negociados na Bolsa de Valores Brasileira (B3), mas mudem seu Nível de III para I, o que proporciona uma maior eficiência de custos.”

Ainda conforme nota do banco, “O Nubank anunciou em setembro de 2022 planos para reestruturar seu programa de Brazilian Depositary Receipt (BDR) no Brasil, a fim de buscar maior eficiência e continuar a construir valor de longo prazo para investidores e clientes.”

Negócios do Nubank

A fintech tem investido no crescimento da base no México e na Colômbia, com o lançamento de novos produtos. Em solo mexicano, além do cartão de crédito, a conta digital também já foi lançada. Na Colômbia, a conta deve ser lançada ainda neste ano.

No Brasil, o Nubank continua aumentando a quantidade de produtos que oferece, para fazer com que o cliente tenha a fintech como a instituição financeira que mais utiliza. “Quase metade da população adulta brasileira já é cliente do Nubank. Continuar a expandir nossa base nesse cenário é uma confirmação da qualidade de nossos produtos e serviços”, afirma a líder de Operações do Nu no Brasil, Lívia Chanes.