As mortes em decorrência da Influenza em Mato Grosso do Sul mais que dobraram no período de uma semana, saindo de 6 para 14 vítimas fatais, ou seja, crescimento de 133,33% no período. 

Os dados são do Boletim Epidemiológico da Influenza elaborado pela SES (Secretaria Estadual de Educação), referente à 17ª semana epidemiológica no Estado.

Entre as recentes vítimas de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) está um bebê de quatro meses de Selvíria, a 263 km de Campo Grande, que morreu em 26 de abril por complicações da variante H1N1. Ele não apresentava comorbidades.

O boletim também aponta que abril foi o mês mais mortal, concentrando 85% das mortes desde o início do ano, ou seja, 12 dos 14 óbitos ocorreram no mês passado. Além do bebê de Selvíria, uma menina de nove meses de Corumbá morreu em 1º de abril pela variante Influenza B.

Campo Grande é a cidade com mais vítimas (3), seguida por Dourados (2) e Naviraí (2). Os homens representam 71,4% (10) das mortes, enquanto as mulheres registram 28,6% (4). 

Fonte: SES/MS

O boletim ainda indica que pessoas com mais de 80 anos foram as maiores vítimas da SRAG em Mato Grosso do Sul, seguidas por menores de dois anos de idade e a faixa etária de 40 a 59 anos. 

Além disso, o número de hospitalizações por SRAG em 2023 cresceu 9% na última semana, saindo de 2.399 internações para 2.615. Destes, a quantidade de internados por Influenza totalizam 135 pessoas.