Família de indígena morto em confronto com a PM terá 'livre acesso' para visitar túmulo em fazenda

Vitor foi enterrado na fazenda que foi palco de confronto e resultou na morte do indígena
| 28/06/2022
- 09:34
Enterro do indígena Vitor
Enterro de indígena morto (Foto: Marcos Morandi/Midiamax)

O Ministério Público Federal e a Defensoria da União assinaram, na segunda-feira (27), termo de ajustamento de conduta para delimitar regras envolvendo o enterro do indígena Vitor Fernandes, de 42 anos. O corpo do indígena morto em confronto com a Polícia Militar na semana passada em Amambai foi sepultado na área do confronto e agora, conforme o TAC, os parentes terão 'livre acesso' para visitar o túmulo e realizar atos religiosos no local.

Conforme a resolução assinada pelo procurador da República Marcelo José da Silva e pela defensora da União Daniele de Souza Osório, a empresa VT Brasil Administração e Participação LTDA, uma das propriedades do grupo Torelli e denominada Fazenda Borda da Mata, autoriza enterrar o corpo de Vitor em uma área de 15 metros quadrados dentro da área particular.

A família do indígena será responsável pela manutenção do local onde será velado. Outra determinação é que está autorizada a entrada de familiares e parentes do falecido para do túmulo, assim como cultos e atividades religiosas.

“Que tal autorização não tem o condão de reconhecer a área como propriedade indígena; tem cunho eminentemente humanitário”, ressalta a decisão.

movimento após morte de indígena
Movimento de indígenas no local. (Foto: Reprodução/WhatsApp)

Ocupação na fazenda após morte de indígena

Após o enterro do indígena Vitor, depois de 40 horas de velório, indígenas voltaram a ocupar a fazenda palco do conflito em Amambai, a 352 quilômetros de Campo Grande. As lideranças estavam à espera de representantes do MPF e agentes da Polícia Federal, mas nenhum integrante dos órgãos apareceu.

Segundo uma das lideranças indígenas, o grupo deve permanecer no local por tempo indeterminado. Ainda conforme informações apuradas pelo Jornal Midiamax, câmeras de segurança instaladas no galpão foram retiradas pelos índios e uma bandeira do Brasil foi colocada no lugar. Durante o velório, os indígenas relataram que estavam dispostos a morrer "pelo guerreiro", se referindo a Vitor — morto no confronto.

Na fazenda, não há representantes dos proprietários da área. Um grupo de seguranças que estava no local deixou a propriedade assim que os indígenas chegaram à fazenda para fazer o enterro de Vitor. O grupo entrou em conflito com equipes da Polícia Militar na última sexta-feira (24).

Perícia antropológica

Está marcada para esta terça-feira (28), uma perícia antropológica na Fazenda Borda da Mata, local onde um indígena Guarani Kaiowá morreu em conflito com a Polícia Militar durante uma retomada, com previsão de até 1º de julho.

Veja também

No total, há 34,01 milhões de casos e 679.996 óbitos pela doença

Últimas notícias