Cotidiano

#Retrospectiva2020: Do dia para a noite, alunos tiveram que se adaptar ao EAD com aulas remotas em MS

Não há como negar que 2020 foi um ano marcado pela pandemia e que uma das áreas mais afetadas foi a educação em Mato Grosso do Sul. Praticamente do dia para a noite, tudo mudou: as aulas presenciais foram suspensas e estudantes, desde o ensino infantil até a graduação, tiveram que mudar suas rotinas. Com […]

Mylena Rocha Publicado em 25/12/2020, às 07h30 - Atualizado às 15h38

Ilustrativa (Foto: Marcos Ermínio)
Ilustrativa (Foto: Marcos Ermínio) - Ilustrativa (Foto: Marcos Ermínio)

Não há como negar que 2020 foi um ano marcado pela pandemia e que uma das áreas mais afetadas foi a educação em Mato Grosso do Sul. Praticamente do dia para a noite, tudo mudou: as aulas presenciais foram suspensas e estudantes, desde o ensino infantil até a graduação, tiveram que mudar suas rotinas. Com as mudanças, vieram muitas dificuldades de adaptação e, apesar da pandemia ainda ser incerta, já há previsão de volta às aulas presenciais em 2021.

#Retrospectiva2020: Do dia para a noite, alunos tiveram que se adaptar ao EAD com aulas remotas em MS
Aulas foram suspensas em março nas escolas. (Foto: Marcos Ermínio)

A suspensão das aulas presenciais da rede municipal aconteceu logo em março, quando Campo Grande tinha registrado somente dois casos confirmados de coronavírus. Em uma reunião de emergência no dia 15 de março, a Prefeitura definiu restrições que durariam 15 dias, à princípio. O que pais e alunos não poderiam imaginar é que a suspensão das aulas poderia chegar a quase nove meses. 

Dois dias depois, o Governo de Mato Grosso do Sul publicou um decreto com a suspensão das aulas nas escolas estaduais. Na mesma semana, pouco a pouco as escolas particulares também começaram a suspender as atividades presenciais

Por fim, poucos dias depois as universidades públicas e particulares também começaram a determinar que as aulas fossem feitas à distância. Na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), por exemplo, foram preparados tutoriais e cursos para auxiliar os professores na condução das disciplinas online.

Dificuldades no ensino remoto

Com a mudança na rotina, começaram a surgir as dificuldades com o ensino à distância em Mato Grosso do Sul. Se as dificuldades já atrapalharam o desempenho dos universitários, foi ainda mais complicado acompanhar as aulas no ensino infantil e fundamental. Uma das principais queixas dos pais foi sobre a dificuldade em criar a rotina de estudos, mas também saber equilibrar o trabalho, as cobranças e dar autonomia aos filhos sem deixar de dar suporte. 

Pais e responsáveis tiveram que não só se tornarem tutores no ensino das crianças, como também lidaram com o estresse dos filhos, que só podiam ficar em casa e são muito ativos. Outra dificuldade, que a maioria dos pais também passou, foi o fato de ter que lidar com o trabalho remoto e cuidar deles ao mesmo tempo, pois era preciso dar um suporte emocional e educacional.

Não só as crianças tiveram problemas com o ensino remoto. No ensino médio, os alunos também desanimaram com a rotina EAD, o que poderia até atrapalhar o desempenho no vestibular. As aulas à distância foram um choque para os estudantes e muitos adolescentes se sentiram desmotivados: além das diversas atividades passadas pelos professores acumuladas, houve ainda um período de incerteza se o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) seria realizado em meio à pandemia. 

Na rede estadual, alunos ainda contaram com mais um recurso para acompanhar as aulas. A partir de maio, as aulas passaram a ser televisionadas. Foram investidos R$ 663 mil na contratação da emissora, para transmitir simultaneamente o conteúdo escolas para alunos da pré-escola, ensino fundamental e ensino médio.

Até mesmo os universitários sofreram com as aulas remotas em Mato Grosso do Sul. Além da dificuldade de manter a produtividade com as aulas à distância, universitários tiveram que apresentar o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) de casa. Até mesmo as colações de grau foram online. 

Volta às aulas

Em setembro, o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), representantes de escolas, a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) e o prefeito Marquinhos Trad (PSD) o retorno das aulas presenciais nas escolas particulares de Campo Grande. Em outras cidades do estado, as aulas também foram retomadas.

O retorno às aulas presenciais foi permitido para o ensino infantil, que abrange crianças de 0 a 5 anos. Para evitar aglomeração, apenas 30% dos alunos de berçários de 0 a 5 anos puderam voltar para salas de aula. Pais e responsáveis tiveram o livre decisão em mandar os filhos para a escola, sendo assim o retorno não foi obrigatório.

Em outubro, uma nova reunião no MPMS definiu a volta das aulas presenciais para alunos do ensino médio nas escolas particulares de Campo Grande. As regras foram basicamente as mesmas para o ensino infantil: escolas deveriam manter a ocupação em 30% da capacidade nas salas de aula.

Também no mês de outubro, quando os casos de coronavírus estavam em queda e Campo Grande recebeu a classificação amarela do Prosseguir, as aulas presenciais foram retomadas nas universidades, mas apenas para disciplinas práticas. Devido às diferentes realidades na pandemia em MS, universidades estabeleceram regras de acordo com a cidade em que o campus fica localizado.

#Retrospectiva2020: Do dia para a noite, alunos tiveram que se adaptar ao EAD com aulas remotas em MS
Secretarias preparam protocolo de biossegurança para volta às aulas em 2021. (Foto: Marcos Ermínio)

Aulas em 2021?

Em uma live realizada no dia 23 de novembro, o Governo Estadual confirmou que as aulas presenciais nas escolas estaduais serão retomadas em 2021. Ainda sem uma data específica, o Estado já trabalha na implantação dos protocolos de segurança, que envolve desde a turmas separadas a entrega de kits de máscaras aos alunos.

O ano letivo de 2021 começa no dia 4 de fevereiro para as escolas da rede estadual de ensino, conforme calendário escolar. O governo estadual apresentouprotocolo de volta às aulas no fim de novembro, que prevê ensino híbrido a partir do ano que vem. Ou seja, com atividades presenciais e remotas.

Em Campo Grande, a prefeitura informou que as aulas presenciais retornam na Reme (Rede Municipal de Ensino) no dia 8 de fevereiro. O plano de biossegurança estaria sendo elaborado.

Já para as universidades, o MEC (Ministério da Educação) determinou que as aulas presenciais nas universidades federais de todo o país devem ser retomadas a partir de 4 de janeiro de 2021.

Jornal Midiamax