Cotidiano

#Retrospectiva: Tornado, vendaval e eclipse: fenômenos da natureza em MS

O ano de 2019 para Mato Groso do Sul também foi marcado por fenômenos da natureza, como tornado que atingiu a região Sul de MS, vendavais que assustaram moradores e eclipse solar que atraiu os moradores. Em Campo Grande, dá para se dizer que o bairro mais atingido e prejudicado pelas chuvas, foi a Vila […]

Mariane Chianezi Publicado em 24/12/2019, às 07h53 - Atualizado em 19/07/2020, às 12h42

(Foto: Jornal Midiamax)
(Foto: Jornal Midiamax) - (Foto: Jornal Midiamax)

O ano de 2019 para Mato Groso do Sul também foi marcado por fenômenos da natureza, como tornado que atingiu a região Sul de MS, vendavais que assustaram moradores e eclipse solar que atraiu os moradores.

Em Campo Grande, dá para se dizer que o bairro mais atingido e prejudicado pelas chuvas, foi a Vila Popular. Os moradores chegaram a ficar desabrigados e perderam além de bens materiais, a qualidade de vida e dignidade.

#Retrospectiva: Tornado, vendaval e eclipse: fenômenos da natureza em MS
Na Vila Popular, água chegou a 1 metro de altura. (Foto: Leitor/Midiamax)

O Jornal Midiamax contou a história de pessoas que pediram ajuda para conseguir se reerguer após a chuva castigar a Vila Popular. Em um dos casos, a moradora contou que estava dormindo quando foi acordada por vizinhos. Quando levantou da cama, a casa em que mora havia sido tomada pela água da chuva.

A união dos moradores também colaborou para alertar os moradores em outra ocasião, quando os residentes acordaram com água da chuva invadindo pelas casas e fizeram um ‘buzinaço’ para acordar os outros vizinhos e avisar que a água estava subindo cada vez mais.

Os vendavais também assustaram os moradores do estado, destruindo galpões, derrubando árvores e arrastando carros. Em Rio Verde de Mato Grosso, por exemplo, o vendaval durou apenas dez minutos, mas foi o suficiente para causar pânico nos moradores.Em Ribas do Rio Pardo, a 97 km de Campo Grande, 14 famílias precisaram ser realojadas após um intenso vendaval destelhar casas.

#Retrospectiva: Tornado, vendaval e eclipse: fenômenos da natureza em MS
Bairro São Joaquim foi um dos mais atingidos pela tempestade. (Foto: Marcos Ermínio)

A tempestade durou exatas meia hora, mas foi o suficiente para causar medo, destruição e deixar os moradores com pavor, mas também mostrou que a solidariedade fala mais alto mesmo em momentos de tensão.

Com ventos de 53km/h, Bela Vista também foi uma das cidades que penou com as chuvas acompanhadas de vendaval neste ano. Em outubro, um rastro de destruição ficou pela cidade.

A força dos ventos chegou a prejudicar duas vezes a comunicação na cidade de São Gabriel do Oeste, quando em ocasiões distintas, os moradores ficaram sem TV por dias devido ao vendaval.

Tornado

#Retrospectiva: Tornado, vendaval e eclipse: fenômenos da natureza em MS
Foto: Geone Bernardo

Os moradores da região de Fátima do Sul e Vicentina se surpreenderam com fenômeno climático que ocorreu no final do mês de novembro. Conforme vídeo publicado nas redes sociais, o tornado, apareceu em distrito de Vicentina.

“Isso aqui nunca aconteceu por aqui, não. Faz uns 10 anos que passou um por aqui, mas não era tão forte”, comenta o morador que filmava em trecho da MS-147.

Quem está filmando ainda comenda sobre a proximidade do tornado com a região e sobre a força do tornado. De acordo com o meteorologista Natálio Abrão, o fenômeno pode ser forte e costuma impactar árvores que estejam próximas.

O Cemtec (Centro de Monitoramento, do Tempo e do Clima) de Mato Grosso do Sul publicou o registro em sua página do Facebook e informou que o fenômeno se trata de um landspout.

“[O landspout é] Um tornado que não surge da rotação organizada em escala de tempestade e, portanto, não está associado a uma nuvem de parede ou a um mesociclone. Geralmente como não mais do que um turbilhão de poeira”, explica Centec.

Eclipse solar

#Retrospectiva: Tornado, vendaval e eclipse: fenômenos da natureza em MS
Foto: Leonardo de França | Jornal Midiamax

Em julho, vários campo-grandenses compareceram na rotatória do estádio Morenão para acompanhar o eclipse solar que pode ser visto de Campo Grande. O eclipse durou 1 hora e levou o pessoal para a rua.

Campo Grande foi a segunda capital brasileira com melhor visibilidade do fenômeno. Na capital sul-mato-grossense foi possível ver 47% do eclipse solar, enquanto em Porto Alegre (RS), melhor capital a ver o evento, teve 57% de visibilidade. Curitiba (PR) foi a terceira com melhor vista do fenômeno, com 43%.

Jornal Midiamax