Empresa reforça que ligação clandestina é crime

O fornecimento de energia de moradores da foi cortado, nesta manhã, para garantir a segurança no local, informou a Energisa, concessionária responsável pelo serviço na maior parte de Mato Grosso do Sul. A interrupção provocou revolta dos moradores, que chegaram a bloquear a rodovia BR-262 nesta manhã.

A empresa reforça, no texto, que as ligações eram clandestinas, o que configura crime.
“Vale ressaltar que a concessionária atua em todo o Estado no combate a furtos de energia, uma obrigação regulatória determinada pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), diz a nota.

Ainda de acordo com a Enersul, além de ser crime e gerar impacto nas tarifas de clientes regulares, as ligações clandestinas oferecem riscos à população, sobrecarregam e comprometem a confiabilidade da rede de distribuição de energia.

Um outro fator apontado é que nesse tipo de ligação irregular, não há como fazer a cobrança sobre a energia utilizada, e a perda acaba impactando a tarifa para todos os consumidores.

As ligações clandestinas de energia podem ser enquadradas em dois crimes: no artigo 171 do Código Penal, estelionato, e no artigo 155, furto. A pena para esses crimes é de um a quatro anos de reclusão.

A Polícia Civil e a Militar acompanharam a operação e um eventual encaminhamento para registrar crime contra os moradores fica a cargo das autoridades policiais, informou a Energisa.

Energisa diz que cortou fornecimento irregular em favela por questão de segurança

     Rodovia ficou bloqueada por moradores. (Foto: Marithê Lopes)