Por unanimidade, foi expulso do partido ao qual era filiado e passou a não receber mais salário desde então. Após o episódio, o diretório do partido seguiu a manifestação do Conselho de Ética Nacional da sigla, que havia dado parecer pela expulsão. Cabe recurso apenas ao diretório nacional do partido.

Cury responderá uma ação penal, e quando soube da notícia, a vítima do assédio comemorou a decisão. Ela relatou à reportagem do jornal Metrópoles: “Receber essa notícia é saber que a luta segue e que o assédio no trabalho ou em qualquer lugar precisa ter punições exemplares. O MP acolher significa que ele não é mais investigado e sim processado, então isso é um alívio pra mim”.