Casos são de Corumbá; a cidade já registrou seis casos

A Vigilância em Saúde do município de Corumbá confirmou mais quatro casos de H1N1. O resultado dos exames chegou ao município na tarde da última quinta-feira (19). A gestante, que foi o segundo caso de gripe A na cidade este ano e que estava internada na Santa Casa desde o dia 04 de maio já recebeu alta. Porém, o H1N1 foi confirmado em seus dois filhos (crianças) e em seu marido, que já estão em tratamento e passam bem.

As informações são do Jornal Diário Corumbaense. O sexto caso da doença foi confirmado em uma mulher que mora no bairro Jardim dos Estados. Outros dois exames que a Secretaria de Saúde aguardava resultado deram negativos. O primeiro caso positivo da doença em Corumbá, que teve vítima fatal, ocorreu em janeiro. O paciente era um homem.

Com mais de 70% da meta atingida, Corumbá encerrou nesta sexta-feira (20), a campanha de vacinação contra a gripe H1N1. Até a tarde da quinta-feira, dia 19, o Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (Sipni), do Ministério da Saúde, através do Vacinômentro, indicava que o município havia imunizado 16.424 pessoas contra a Influenza A, o que representa índice de cobertura de 71,47% da estimativa de imunizar 22.796 do público alvo.

Agora, restam pouco mais de 600 doses da vacina e elas pode ser encontradas nas seguintes Unidades Básicas de Saúde (UBS): Beira Rio localizado na rua Delamare, 384, Centro , com 100 doses com atendimento apenas no período vespertino; Dom Bosco com 150 doses e vacinação no período matutino; Pedro Paulo I, na rua 1º de Abril com 100 doses período da manhã; Nova Corumbá tem 100 doses e atendimento integral; Ênio Cunha I com 60 doses matutino e Pedro Paulo II oferecendo 100 doses somente com vacinação no período da tarde.

Viviane Ametlla, coordenadora da Vigilância em Saúde de Corumbá, informou ao Diário Corumbaense que o Estado encaminhou 25 mil doses da vacina para o munícipio. Ela disse ainda que havia estimativa de imunizar 1,5 mil pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, mas a previsão foi superada. Mais de 4 mil pessoas, nessas condições, foram vacinadas.

A coordenadora da Vigilância em Saúde que a campanha acaba nesta sexta-feira e a Secretaria Municipal de Saúde fará um balanço da situação para identificar quais faixas prioritárias alcançaram a meta estipulada. Se for necessário, o Município vai pedir mais doses para que os grupos prioritários que não alcançaram a meta possam atingir o índice de cobertura vacinal estipulado.

Integram o grupo prioritário para imunização contra a H1N1: crianças entre seis meses a menor de dois anos; crianças de dois a quatro anos, 11 meses e 29 dias; trabalhadores em saúde; gestantes; puérperas; indígenas; idosos acima de 60 anos; pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais. Com relação aos estrangeiros, só estão sendo imunizados aqueles que já são usuários do SUS (Sistema Único de Saúde).